BARRIL DO PRÉ-SAL FIXADO EM US$ 8,51


Após duas semanas de negociação, finalmente, o governo e a Petrobras fixaram em US$ 8,51 o valor médio do barril de petróleo que a União irá se basear para a definição da capitalização da estatal, prevista para ocorrer no dia 30 de setembro. A capitalização será feita por meio da cessão onerosa, na qual o governo poderá ceder à Petrobras até 5 bilhões de barris de petróleo em áreas ainda não concedidas, o equivalente a R$ 72 bilhões (US$ 42,533 bilhões), conforme anunciou o ministro da Fazenda, Guido Mantega.

Segundo o ministro, os barris que serão transferidos pela União virão de seis campos do pré-sal. O maior volume, cerca de 3,1 bilhões de barris, será extraído de Franco, na Bacia de Santos. Além dele, a Petrobras poderá explorar os campos de Tupi Sul, Florim, Tupi Nordeste, Guará e Iara. O governo ainda deixou o campo de Peroba como uma reserva adicional, que a Petrobras poderá usar caso não consiga extrair dos seis campos iniciais os 5 bilhões de barris previstos na operação.

A definição desse valor não agradou os acionistas minoritários que desejavam um preço na casa dos US$ 6. "O preço é atraente para o governo, mas não para o minoritário", avaliou o gestor Lionel Bernard, da Amundi, administradora de recursos do Crédit Agricole e Societé Generale em Paris. O gestor do fundo britânico F&C, Urban Larson, disse que o valor é "alto, mas poderia ter sido pior". "Vamos olhar a oferta com carinho porque há poucas petroleiras no mundo com o potencial da Petrobras, mas é preciso ser exigente sobre a precificação da ação", afirmou o executivo em matéria no jornal Estado de São Paulo.

O Diretor de Geologia do DRM-RJ, Francisco Dourado, explica em entrevista ao Nicomex Notícias, que se o preço fixado fosse muito baixo, o Governo Federal estaria "entregando" o Pré-Sal e quem perderia com isso seria a nação. Por outro lado, se o valor ficasse muito alto, poderia, no futuro, se tornar um prejuízo à Petrobras, aí quem perderia seriam os acionistas. “O que poderia ter sido acordado, seria um preço base que poderia ser ajustado para mais, caso novos estudos mostrassem que o valor do barril do Pré-Sal em "reserva" fosse maior, em função da redução do custo de extração desse óleo” – disse Dourado, acrescentando que se a operação fosse realizada desta forma funcionaria como uma “salva-guarda”.

Gabrielli: preço será revisto em 4 anos

Com o intuito de se defender das críticas de que o preço médio fixado para o barril está alto, o presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, afirmou em conferências por telefone com analistas de mercado internacionais e brasileiros, que o valores serão revistos dentro de quatro anos. No mercado mundial, a compra e a venda de reservas no subsolo são negociadas a um preço médio entre US$ 5 e US$ 6 por barril.

Por Beatriz Silva
beatriz.s@nicomexnoticias.com.br

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir