Franco produzindo em 2016

A Petrobras pretende iniciar a produção do prospecto de Franco, área cedida pela União à estatal, em 2016. A expectativa da empresa é de realizar um teste de longa duração na área com um FPSO com capacidade para 150 mil barris/dia. Este será o primeiro projeto das áreas a entrar em operação.

A fase exploratória das sete áreas cedidas pela União terá quatro anos e prevê a aquisição sísmica 3D e a perfuração de oito poços firmes, sendo dois em Franco e um nos prospectos de Florim, Entorno de Iara, Nordeste de Tupi, Sul de Guará, Entorno de Tupi e Peroba.

Também está prevista a perfuração de um poço contingente no Entorno de Iara. A área deve ser a última entrar em operação, em 2019, de acordo com o diretor Financeiro da petroleira, Almir Barbassa, que participou de teleconferência com analistas de mercado.

O cronograma da Petrobras prevê ainda a realização de quatro testes de longa duração nas áreas, sendo três contingentes e um firme nos prospectos de Franco, Entorno de Iara, Nordeste de Tupi e Peroba.

O presidente da Petrobras, Jose Sérgio Gabrielli, contou que já existem descobertas feitas em Franco e no Entorno de Tupi. As demais áreas já possuem indícios de hidrocarbonetos identificados e prospectos mapeados.

Ao contrário de todos os contratos de concessão vigentes desde a abertura do setor, o contrato da cessão onerosa, que deve ser assinado na próxima semana, tem prazo total de 40 anos, sendo quatro para exploração e 36 anos para produção. Os contratos atuais da ANP têm uma média de 20 anos para produção.

Também diferente dos contratos atuais, a Petrobras não pagará participação especial pela produção nas áreas cedidas, apenas royalties de 10%. Também não existe penalidade para o atraso do primeiro óleo dos projetos, como consta nos contratos atuais.

Questionada pelo secretário-executivo do IBP, Álvaro Teixeira, Gabrielli admitiu que o atraso na entrada em operação dos projetos pode reduzir o retorno da empresa, que é esperado em 8,83%. “Se não conseguirmos, vamos revisar. Isso será avaliado na declaração de comercialidade”, disse Gabrielli.

O volume de óleo, caso exceda os 5 bilhões de boe, será de propriedade da União e não da Petrobras, devendo a petroleira devolver a União. O volume deve aumentar em cerca de 35% as reservas provadas da empresa.

Fonte: Energia Hoje

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir