Retirada de barris do pré-sal custará mais de US$ 66 bi

A Petrobras deve gastar mais de US$ 66,14 bilhões para retirar os bilhões de barris que comprou do governo, mas que ainda estão na camada pré-sal da Bacia de Santos. Essa é a estimativa de custo que consta do laudo preparado pela consultoria DeGolyer and McNaughton, a pedido da estatal, tendo em conta o cenário mais provável apontado.

Diferentemente dos 5 bilhões de barris previstos no contrato de cessão onerosa com a União, essa estimativa da DeGolyer supõe que a Petrobras retire 3,47 bilhões de barris das seis áreas que serão exploradas - Franco, Florim, Tupi Nordeste, Guará Leste, entorno de Iara e Tupi Sul. Dessa forma, chega-se a um custo de US$ 19,04 por barril.

Do total de gastos, US$ 18,88 bilhões, o equivalente a pouco menos de 30%, seriam despendidos com a exploração dos campos. Para isso está prevista a perfuração de 112 poços, parte deles para a produção de petróleo e outros para a reinjeção de água e gás. Esses custos se concentram num período que vai até o quinto ano de produção.

Conforme o laudo apresentado, nenhum barril começaria a ser retirado das áreas cedidas do pré-sal antes de 2015. Entre 2011 e 2014, haveria apenas a perfuração de poços em quatro dos campos - Franco, Florim, Tupi Nordeste e Guará Leste. Os investimentos estimados pela DeGolyer nesse período até 2014, prazo final do atual plano de negócios de US$ 224 bilhões da estatal, se limitam a US$ 1,44 bilhão. A exploração de Tupi Sul e do entorno de Iara só começaria perto de 2020, de acordo com o estudo.

A fatia mais pesada dos gastos seria na fase de produção, prevista para ir até 2040, com um total de US$ 47,26 bilhões. É o período mais caro porque envolve a utilização de plataformas e infraestrutura de escoamento do produto.

A área de Franco, que tem mais barris e deve começar a ser explorada primeiro, deve consumir US$ 9,60 bilhões em investimentos na fase de prospecção e outros US$ 27,71 bilhões na de produção, totalizando US$ 37,31 bilhões.

O estudo da DeGolyer aponta um custo fixo anual de US$ 966 milhões com o afretamento de três plataformas flutuantes de produção, armazenagem e escoamento (FPSO) que ela estima que serão usadas para explorar a área de Franco no cenário mais provável. Cada FPSO teria capacidade de retirar 150 mil barris por dia.

Os relatórios da DeGolyer não foram totalmente considerados na negociação que envolveu a Petrobras, a Agência Nacional do Petróleo (ANP) e a União. A consultoria sugeriu uma taxa de desconto de 10% e a Petrobras acabou aceitando de 8,83%, o que eleva bastante o valor presente dos barris que serão comprados. Para definir os volumes e preços, o governo também utilizou dados do laudo da consultoria Gaffney, Cline, contratada pela ANP.

Fonte: Valor Econômico/Fernando Torres e Cláudia Schüffner | De São Paulo e do Rio

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir