IMPASSE NA LICITAÇÃO DE SONDAS PARA O PRÉ-SAL - Retrospectiva

A última semana do pré-sal começou com um anúncio que ganhou ares políticos, em meio à proximidade do segundo turno das eleições presidenciais. Na última terça-feira, dia 19, os jornais trouxeram a informação de que as operações comerciais no Campo de Tupi, na camada do pré-sal, devem começar nos dias 27 e 28 deste mês, portanto, às vésperas da votação do dia 31. O anúncio foi feito pelo presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli, por ocasião da inauguração de novas unidades da Refinaria Henrique Lage (Revap), em São José dos Campos (SP). A partir do início da exploração comercial, a extração pode chegar a 100 mil barris por dia.

No dia seguinte, quarta-feira (20), foi noticiado que o nível de alavancagem (medido pela relação entre dívida líquida sobre a soma de dívida líquida e patrimônio líquido) da Petrobras deve cair para 18%, após a conclusão do processo de capitalização da empresa. A avaliação foi feita por Gabrielli, que destacou o fato de que, ao final do período de 2010 a 2014, no qual a estatal prevê aporte de US$ 224 bilhões, a alavancagem pode alcançar 30%.

A licitação da Petrobras de sondas para o pré-sal foi o assunto dominante nas manchetes relacionadas ao setor, na quinta-feira, dia 21. Com conclusão prevista para o dia 3 de novembro, a disputa pela construção de 28 sondas, em encomenda de cerca de US$ 30 bilhões, enfrenta um impasse. O motivo é a exigência da estatal por licença ambiental prévia emitida pelo Ibama para estaleiros novos e de licença de operação aos já existentes.

Com isso, estaleiros como os programados para Alagoas (Eisa), Espírito Santo (Jurong) e Rio de Janeiro (Alusa/Galvão), que possuem apenas licença de instalação junto a departamento estadual, estão fora do padrão. As exceções são o estaleiro projetado para ser construído na Bahia pelo consórcio formado entre os grupos Odebrecht e OAS e o Atlântico Sul (EAS), que já opera no Porto de Suape. Os mais antigos estão prejudicados pelo fato de terem licenciamentos anteriores à atual legislação ambiental. Sobre o assunto, o diretor da Área de Serviços da Petrobras, Renato Duque, afirmou que as especificações já estavam previstas no edital da licitação.

Pesquisa
Ainda na quinta-feira, dia 21, estimativa de Florisval Carvalho, superintendente de Planejamento e Desenvolvimento da Agência Nacional do Petróleo (ANP), noticiada nos jornais deram conta de que valor de investimentos em pesquisa e desenvolvimento deverá dobrar até 2017. Com isso, o montante deve alcançar cerca de R$ 1,5 bilhão com o início da produção do petróleo do pré-sal, uma vez que a quantia é obrigatória nos contratos de concessão das petrolíferas que operam no Brasil. “Tupi, com uma produção de 100 mil barris ao dia, é considerado um campo de alta produtividade e, dessa forma, deve pagar, além dos royalties, a participação especial, encargo este que deve ter 1% revertido às pesquisas para a indústria do petróleo e gás”, exemplificou o executivo.

Por Matheus Franco
matheus.f@nicomexnoticias.com.br

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir