Petrobras alavanca crédito para fornecedores do pré-sal

SÃO PAULO - O Plano de Negócios da Petrobras para o período de 2010 a 2014, que prevê investimentos de US$ 224 bilhões, resultou em um problema para a estatal: o de encontrar fornecedores para todos os equipamentos que demandará para explorar e produzir petróleo no Brasil. Face a este complicador, a companhia fechou acordos com seis bancos de varejo para ajudar no financiamento de empresas que atendem direta e indiretamente a petrolífera. São eles: Bradesco, Banco do Brasil, Santander, Caixa, HSBC e Itaú Unibanco, além do Banco Econômico de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

De acordo com o presidente da companhia, José Sérgio Gabrielli, a Petrobras autorizou a apresentação de contratos como garantia de toda a cadeia de fornecedores que atendem a indústria do petróleo e gás e tenham um relacionamento comercial com a estatal, possibilitando a obtenção de financiamento e, dessa forma, aumentando a capacidade produtiva. "O nosso plano de investimentos exigirá que a cadeia de fornecedores da indústria do petróleo trabalhe no limite de sua capacidade", afirmou o executivo. "Necessitamos de um grande volume de plataformas, compressores, tubos, entre outros equipamentos, e queremos trazer essa produção para o Brasil. Para isso, precisamos forçar esse aumento da capacidade de produção no País", destacouGabrieli.

Um dos processos de contratação cujos fornecedores, diretos e indiretos, poderão ser beneficiados é o que colocará pedidos de 28 sondas fabricadas no Brasil e que já está em licitação: esses contratos deverão alcançar US$ 22,4 bilhões. Porém, a perspectiva de equipamentos é bem maior. Gabrielli disse que a estatal demandará, a cada 100 mil barris produzidos ao dia, pelo menos dois superpetroleiros e equipamentos para 15 a 20 poços para alcançar esse volume de produção.

"Para que possamos atender as nossas perspectivas, é necessário que tenhamos as garantias de entregas dessas encomendas, por isso precisamos ampliar a capacidade de produção nacional", complementou ele.

Os investimentos da Petrobras para este ano deverão ficar em R$ 85 bilhões após o cancelamento de dotações no valor de R$ 12,92 bilhões e seu remanejamento para investimentos da empresa. Os maiores destinos desses recursos adicionais ficarão com o desenvolvimento de sistemas de produção na Bacia de Campos, com R$ 3,3 bilhões. A modernização das refinarias exigirá outros R$ 3,3 bilhões.

Esse aumento também pode ser viabilizado sem que a Petrobras perca as condições confortáveis para aumentar seus aportes. A empresa apresentou uma queda acentuada de seu nível de alavancagem que, no segundo trimestre (antes da capitalização), estava em 34% e, portanto, próximo ao limite de 35% estabelecido pelo Conselho de Administração da companhia.

Gabrielli destacou que a capitalização deixou a empresa com a necessidade de captar cerca de US$ 35 bilhões no mercado interno e externo, caso o preço médio do barril do petróleo ficar na casa de US$ 80. Esse valor vem da soma entre os investimentos até 2014 e da dívida de US$ 38 bilhões que a companhia tem no período.Para isso, precisará de US$ 262 bilhões que deverão ser obtidos por meio de geração de caixa de US$ 155 bilhões, após o pagamento de dividendos, mais o caixa de US$ 10 bilhões que a empresa possui.

"Levantamos US$ 25 bilhões na capitalização, portanto, essa diferença de US$ 96 bilhões em aberto para nossas operações recua para US$ 70 bilhões. Ao negociarmos a dívida, chegamos à necessidade de levantarmos algo entre US$ 33 bilhões e US$ 35 bilhões", detalhou ele.

Gás
Além do início da operação comercial do campo de Tupi, no pré-sal, a Petrobras iniciará, em novembro, o segundo teste de longa duração na megarreserva de Guará. Em paralelo, segundo o gerente-geral da Unidade de Negócios de Exploração e Produção da Bacia de Santos, José Luiz Marcusso, a companhia trabalha para iniciar a produção de gás natural do campo de Mexilhão e de Tupi no primeiro trimestre de 2011. Com o início dessa unidade de produção, a empresa colocará no mercado mais 18 milhões de metros cúbicos do insumo.

Segundo Marcusso, toda a infraestrutura offshore (que é utilizada no mar) já está pronta, desde a plataforma, que está mecanicamente completa e em fase final de pintura até os gasodutos que ligarão os campos à estação de gás em Caraguatatuba.

De acordo com o executivo, faltam apenas cinco quilômetros de dutos e um quilômetro de perfuração de rocha para completar o túnel.

Fonte: DCI/MAURÍCIO GODOI

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir