PETROBRAS TEM QUE SUPERAR DESAFIOS DO PRÉ-SAL

Após a descoberta da província petrolífera denominada pré-sal, que se estende ao longo de 800 km na costa brasileira, do estado do Espírito Santo ao de Santa Catarina, abaixo de espessa camada de sal e englobando as bacias sedimentares do Espírito Santo, de Campos e de Santos, a Petrobras ganhou importantes desafios pela frente. Isso porque, a perfuração só pode ser definida após várias análises químicas feitas no Centro de Pesquisas da companhia. Os engenheiros de poço precisam definir o revestimento, a geometria específica do poço e a melhor broca de perfuração.

A exploração dessa camada de petróleo exige diversas especificidades peculiares, tudo envolvendo uma questão de tecnologia. Para se ter uma idéia, o primeiro poço perfurado pela Petrobras para essa seção pré-sal demorou mais de um ano e custou US$ 240 milhões. Os poços mais recentes que a Petrobras perfurou demoraram 60 dias e custaram, em média, US$ 66 milhões. Vários avanços foram alcançados nos últimos anos, permitindo não somente a perfuração de forma estável da camada de sal, mas também a redução do tempo para perfuração dos poços.

A grande dúvida gerada pelo mercado seria se a Petrobras estaria apta para atender a demanda do pré-sal. A estatal afirma que está direcionando grande parte de seus esforços para a pesquisa e o desenvolvimento tecnológico que garantirão, nos próximos anos, a produção dessa nova fronteira exploratória. Um exemplo é o Programa Tecnológico para o Desenvolvimento da Produção dos Reservatórios Pré-sal (Prosal), a exemplo dos bem-sucedidos programas desenvolvidos pelo seu Centro de Pesquisas (Cenpes), como o Procap, que viabilizou a produção em águas profundas. Segundo a Petrobras, além de desenvolver tecnologia própria, a empresa trabalha em sintonia com uma rede de universidades que contribuem para a formação de um sólido portfólio tecnológico nacional.

Outro desafio é a distância da litoral, cerca de 230 km e em grandes profundidades. O petróleo produzido pode ser escoado direto das plataformas para navios e transportados para terra. O gás natural, porém, como sai do reservatório, não pode ser escoado por navios, mas somente por dutos. Pelo transporte viário, o gás somente pode ser transportado depois de liquefeito. Uma das idéias seria construir um gasoduto saindo das unidades de produção, que serão instaladas na área, para a plataforma fixa que no campo de Mexilhão, também na Bacia de Santos, que tem previsão para entrar em atividade somente em janeiro de 2011.

Novos projetos
Outra idéia em estudo é a instalação de uma unidade de liquefação do gás, o que tornaria possível o transporte por navios. Também está sendo cogitada a possibilidade de construção de termelétricas flutuantes à gás, junto às áreas produtoras. Essas térmicas produziriam energia para as próprias plataformas e, por linhas submarinas, a energia seria transmitida também para o consumo público em terra. Uma vantagem desse sistema é que as plataformas de produção não precisariam mais ter geração própria de energia, o que reduziria o seu preço.

Nicomex Notícias – Redação
nicomex@nicomex.com.br

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir