Todos na corrida pelos lucros do pré-sal

A Petrobras conseguiu fazer a maior captação de recursos da história mundial com R$ 120 bilhões, a União aumentou sua participação na empresa para 48% e está assegurada a distribuição de recursos para programas de combate à pobreza, de enfrentamento das mudanças climáticas e de desenvolvimento da educação, cultura, saúde pública e ciência e tecnologia.

Todo mundo está contente – com exceção dos demo-tucanos que achavam o melhor dar mais espaço para os investidores privados. Tirando eles, o Brasil inteiro trabalha na perspectiva de socializar os lucros e preparar sua região para atender a demanda do pré-sal.

No Litoral do Paraná, o clima é de otimismo e já existe um plano de investimentos nos portos. Paranaguá, Antonina e Pontal do Paraná seriam os municípios que mais lucrariam.

Na Carta de Antonina, entidades e órgãos públicos defendem a criação de uma Agência de Desenvolvimento do Litoral, para que toda a região seja beneficiada. A carta fala da necessidade de desenvolver ações coordenadas em todo o Litoral, do fortalecimento dos atores locais, promoção das instituições de apoio técnico, ensino e pesquisa, capacitação da mão de obra local e apoio ao empreendedorismo.

Pontal e Antonina

Seguindo a Fiep (Federação das Indústrias do Estado do Paraná), o litoral paranaense tem potencial para se transformar em um importante ponto de apoio para a exploração do pré-sal na Bacia de Santos. A norueguesa Subsea 7 e a italo-argentina Techint já receberam anuência da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa), para se instalar em Pontal do Paraná.

O município possui tradição na indústria naval, tendo sido sede de empresas que construíram componentes de plataformas para exploração de petróleo. Em Pontal, a profundidade natural na beira do cais é de 12 a 14 metros, contra 8 metros do Porto de Paranaguá.

A Appa também retomou as conversas sobre a instalação de um novo terminal portuário em Pontal, suspensas pelo ex-governador Roberto Requião. Depois da queda de braço entre Requião, que queria instalar um porto público e um grupo privado, a intenção do governador Orlando Pessuti é somar investimentos públicos e privados no Porto de Pontal.

Para a Appa, Antonina oferece as condições ideais para abrigar plantas industriais, pequenas empresas de reparo e de apoio à navegação marítima e ainda indústrias metal-mecânicas. No cálculo da administração dos portos, a Petrobras deve investir mais US$ 8 bilhões até o fim de 2013 apenas na região Sul e o Paraná pode ficar com a maior fatia deste bolo.

Nacionalização

Para Jean Carlos Alberini, da Câmara de Petróleo e Gás, o bom relacionamento com o poder público é um dos pontos mais importantes para que os empresários paranaenses possam aproveitar melhor as oportunidades. O setor aponta para excelentes oportunidades de negócios, já que o objetivo do Governo Federal é que 70% dos equipamentos usados no Pré-Sal sejam nacionais. Para se ter idéia, hoje este índice é de 40% na exploração e produção de petróleo e gás”, afirma Alberini.

Fonte: Correio do Litoral

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir