Petrobras eleva total de captações a R$ 238 bi

Com 13 novas ofertas em análise pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o mercado de capitais voltou a viver um momento positivo. No ano passado, as empresas captaram R$ 283,2 bilhões em operações de renda fixa e variável. Os dados foram impulsionados pelas operações da Petrobras, que movimentaram R$ 120,2 bilhões, o que gerou crescimento de 115,2% nas ofertas em comparação com 2009. Além da petrolífera, outras empresas desempenharam um bom papel no mercado de capitais. O Banco do Brasil arrecadou R$ 9,761 bilhões, a OSX Brasil, R$ 2,818 bilhões, e a JBS, R$ 1,840 bilhão. A menor captação do ano ficou com a IdeiasNet, com uma operação de R$ 15 milhões.

Para este ano, estão em análise na CVM ofertas das empresas Sonae Sierra, Autometal, Desenvix Energias Renováveis, QGEP Participações, Arezzo Ind. e Comércio, Companhia de Águas do Brasil, Rede Energia, Inepar, Vulcabras, Tecnisa, Brasil Brokers, Direcional Engenharia e Magnesita Refratários. Algumas destas empresas estavam com oferta prevista para o ano passado, mas a alta volatilidade das bolsas mundiais e a pressão dos investidores para baixar os preços das ações acabaram adiando os planos para 2011.

No total, as operações de renda variável atingiram R$ 150,3 bilhões, alta de 218,9%, com R$ 11,9 bilhões em ofertas públicas iniciais (IPO, na sigla em inglês) e R$ 138,4 bilhões em captações de empresas já listadas em bolsa (follow on). Os dados foram apresentados na sexta-feira pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima).

Outro setor que merece atenção é o da construção civil, que respondeu por 29,1% das ofertas de ações no ano anterior.

Alberto Kiraly, vice-presidente da Anbima, também ressaltou a contribuição do setor de energia elétrica, que representou 20% do volume, e das participações no mercado externo feitas por empresas e instituições financeiras nacionais. O único segmento que se mostrou negativo em 2010 foi o de notas promissórias, mas segundo Kiraly isso deve ser visto de forma positiva. "Mesmo com a pequena variação negativa, isso mostra um interesse maior por investimentos de longo prazo."

A instituição também informou que o número de operações de renda fixa se apoia no bom desempenho, e no ano passado atingiu o montante de R$ 87,9 bilhões, total de que 56% se referem a emissões de debêntures. Do valor acima, R$ 33,1 bilhões são de ofertas sob o regime de esforços restritos - direcionadas a um ou mais investidores predeterminados.

De acordo com o vice-presidente da Anbima, os resultados obtidos no final de 2010 podem ser considerados recordes, uma vez que o mercado conseguiu respirar após o período da crise mundial, ocorrida entre 2008 e 2009. "Esse resultado é importante para o mercado, pois as operações de renda fixa atingiram números bem próximos ao recorde de 2007, quando as operações chegaram a R$ 88 milhões", explicou Kiraly, em entrevista coletiva.

O vice-presidente não acredita que o mercado venha bater o recorde de 2007, que registrou 76 operações, mas pode, sim, superar os números de 2009 e de 2010, que ficaram em 24 operações registradas pela CVM.

No boletim divulgado pela instituição ficou destacada a participação das empresas brasileiras no exterior, que captaram U$S 53,7 bilhões em recursos, 75% dos quais via títulos de renda fixa.

Já a participação dos investidores estrangeiros nas ofertas brasileiras ficou em 16,9% - sendo 63,9% dos Estados Unidos, 29,1% da União Europeia e 7,0% de demais países. A maior parte, 78,7%, ficou por conta de investidores institucionais brasileiros.

As recentes medidas do governo que facilitaram a emissão de debêntures e tentam atrair os investidores de longo prazo impulsionarão o mercado nos próximos meses, e já tiveram reflexo positivo. Em dezembro, a distribuição desses ativos correspondeu a R$ 7,7 bilhões, que corresponderam a 58,8% do total de emissões de renda fixa pelas empresas. No ano, dos R$ 87,9 bilhões emitidos neste segmento, as debêntures contribuíram com um volume de R$ 49,3 bilhões.

"Acredito que essas medidas do governo atrairão mais o investidor estrangeiro de longo prazo ao mercado brasileiro. Isso terá impacto positivo, como vimos nos títulos públicos, que trouxeram um volume adicional ao mercado", enfatiza Alberto Kiraly.

O executivo não faz projeções para os próximos meses: "Vamos ver como os estrangeiros vão se comportar com essas ofertas", diz, e completa ao afirmar que a Anbima e a CVM estão em fase de análise dos efeitos para, mais para a frente, discutir a necessidade de mais medidas que estimulem o crédito de longo prazo. Outro setor que será estimulado no próximo ano é o mercado secundário de debêntures, que está um pouco esquecido. Para Kiraly, as medidas do Banco Central (BC) serão impulsionadoras e podem gerar liquidez desses papéis em 2011. "Esse debate tem sido travado com o governo, e pretendemos quebrar os entraves sobre o assunto. Acreditamos na possibilidade de um fundo de liquidez para esses papéis, mas precisamos ver como os investidores vão reagir a essas ofertas." O especialista volta a elogiar de certa forma as medidas tomadas pelo Banco Central ao afirmar que "as medidas estão na direção certa e temos expectativa de um mercado secundário mais ativo".

Fonte: DCI/Flávia Milhassi

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir