Petrobras entrega estudo ambiental da Premium II

A Petrobras já possui concluídos os estudos que avaliam os impactos ambientais que a refinaria Premium II gerará no Complexo Industrial e Portuário do Pecém (Cipp), onde esta será instalada. Os documentos, que constituem um pré-requisito para a obtenção da licença prévia (LP) da usina, foram entregues no último dia 19 à Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace), órgão responsável pelo licenciamento do empreendimento.

O Estudo de Impacto Ambiental e seu respectivo Relatório (EIA-Rima) será agora avaliado pelo órgão, que terá, de acordo com a legislação vigente, o prazo mínimo de seis meses para sua análise, segundo informou, por nota, o órgão.

O tempo estendido é considerado necessário para que se possa estudar toda a documentação, que consta de sete volumes, no caso do EIA, e mais um outro para o Rima.

Cronograma
"Os próximos passos são: realização de audiência pública, se solicitada no prazo máximo de 45 dias; e, posteriormente, envio de um relatório final, fruto da análise técnica da Semace ao Conselho Estadual do Meio Ambiente (Coema), onde será aprovada ou não a liberação da licença prévia", esclareceu a nota.

A Semace reforçou, por meio de sua assessoria de imprensa, que a audiência pública pode ser solicitada tanto por ela própria, como qualquer outro ente, como, por exemplo, o Ministério Público. Desde o último dia 19, o prazo para esta solicitação está correndo.

Para iniciar obras
A licença prévia é obrigatória para que a Petrobras possa iniciar as obras de preparação do terreno que receberá o empreendimento, como as etapas de supressão vegetal e terraplanagem. Já para começar a erguer a usina, será necessária a futura obtenção da licença de instalação (LI) e, quando pronta, a refinaria precisará da licença de operação (LO) para iniciar seu funcionamento.

Elaboração do documento
Desde novembro de 2009, a Associação Técnico-Científica Eng° Paulo de Frontin (Astef) - entidade jurídica de direito privado, vinculada ao Centro de Tecnologia da Universidade Federal do Ceará (UFC) - vinha elaborando o documento, contratada pela Petrobras.

Impasse
O prazo de entrega do estudo chegou a ser adiado por diversas vezes, especialmente por motivos dos impasses envolvendo a posse do terreno destinado à refinaria, reclamado pela tribo indígena Anacé.

Em julho do ano passado, um acordo foi celebrado entre os representantes indígenas e o governo estadual, permitindo que o empreendimento fosse instalado na área litigiosa. Entretanto, a decisão final sobre a questão será dada através do resultado do estudo que está sendo feito pela Funai (Fundação Nacional do Índio) no Pecém.

A liberação do terreno para a usina ocorreu somente em dezembro passado, embora algumas áreas ainda não estivessem desapropriadas. Para os índios, a demarcação da terra pela Funai é a principal questão a ser resolvida antes da construção da usina. Mesmo com esta indefinição, no último dia 29, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva descerrou a placa alusiva à pedra fundamental da refinaria Premium II, no Cipp.

Mercado
A previsão é que a refinaria comece a funcionar em 2017, com produção de 300 barris de petróleo por dia, voltados para o mercado interno.

Cronograma
6 meses é o prazo mínimo para análise do Estudo de Impacto Ambiental e seu respectivo Relatório (EIA-Rima)

Fonte: Diário do Nordeste (CE)/VICTOR XIMENES

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir