Regaseificação recorde no CE

O Terminal de Regaseificação da Petrobras, encravado no Porto do Pecém, registrou processamento recorde de GNL (Gás Natural Liquefeito) no ano passado. Foram injetados na malha de gasodutos 2,47 milhões de metros cúbicos diariamente, expansão de 311% com relação ao volume regaseificado em 2009, segundo informou a empresa. Naquele ano, foram processados apenas 0,66 metros cúbicos/dia. O aumento da demanda de GNL no terminal impactou nas importações do produto em 2010, que cresceram 216%, tornando-se o item mais comprado no exterior pelo Estado.

O processo de regaseificação consiste na transformação do GNL, à temperatura de 162° C negativos, para gás natural a 4° C, por aquecimento com vapor d´água. Isso faz com que o produto ocupe um volume 600 vezes menor. Esse gás comprimido é injetado na malha e levado para abastecer às termelétricas, principais consumidores, que utilizam o produto para gerar energia elétrica. Esta será despachada para o Sistema Integrado Nacional (SIN), à medida em que é solicitada pelo Operador Nacional do Sistema (ONS), o qual leva em consideração o nível de águas dos reservatórios das hidrelétricas.

O GNL processado no Terminal de Pecém, onde atuam 25 trabalhadores, complementa o fornecimento de gás natural produzido em campos de gás e petróleo da Petrobras, atendendo aos mercados do Ceará e do Rio Grande do Norte.

Produção ainda baixa
Apesar do crescimento da demanda, o processamento de GNL no Terminal de Pecém, realizado no interior do navio Golar Spirit, ainda é bem inferior à capacidade máxima.

No total, podem ser regaseificados sete milhões de metros cúbicos por dia, e o pico de produção da planta, atingido em outubro do ano passado, foi apenas de 4,74 milhões de m³, 67% do potencial.

Já o Terminal do Rio de Janeiro, localizado na Baía de Guanabara, já conseguiu alcançar, em seu pico, quase 100% de sua capacidade máxima, que é o dobro da cearense. Entretanto, a média de regaseificação do navio Golar Winter em 2010 foi de 5,20 milhões de m³/dia.

Térmicas mais acionadas
Assim, os dois terminais processaram, no ano passado, cerca de 7,6 milhões de m³ diariamente, visando o abastecimento das térmicas, que despacharam mais energia, especialmente entre os meses de agosto e novembro. A média brasileira em 2010 foi de 2.873 MW, sendo que 794 MW (27,6%) foram produzidos apenas nas usinas nordestinas, 279% a mais do que o gerado em 2009.

A regaseificação está diretamente ligada à demanda por energia das térmicas, portanto, o estoque de gás da Petrobras leva em consideração a volatilidade na demanda por gás no setor termelétrico.

Em 2010, toda a carga de GNL, que entrou pelo Porto do Pecém foi trazida de países como Bélgica, Catar, Emirados Árabes, Estados Unidos, Guiné Equatorial, Nigéria, Noruega, Peru e Trinidad & Tobago. A Petrobras compra o gás na forma liquefeita de mais de 30 empresas. O Terminal da Petrobras no Pecém opera desde janeiro de 2009, quando abasteceu as usinas termelétricas Termofortaleza, pertencente à Endesa, e a Termoceará, da estatal.

Fonte: Diário do Nordeste (CE)/DIEGO BORGES

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir