Crise na Líbia expõe racha na Opep

O petróleo de Muamar Kadafi vira arma política, dentro e fora da Líbia, e sua cotação volta a explodir. Ontem, rebeldes anunciaram que tomaram poços e dutos no sul do país, enquanto o ditador líbio ameaça a comunidade internacional com o fechamento das torneiras das refinarias.

Fora do país, o governo saudita começou a negociar o abastecimento extra de petróleo para os países que dependiam do fornecimento da Líbia e, assim, acalmar os mercados. Mas os presidente da Venezuela, Hugo Chávez, e o iraniano Mahmoud Ahmadinejad declaram que são contrários a uma decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) de aumentar a produção nesse momento, rachando o cartel.

Com o uso político do petróleo dentro e fora da Líbia, o barril se aproximou dos US$ 120 e a crise no norte da África já afeta a Europa, que recebe 80% do petróleo de Kadafi. A gasolina já deu sinais de subir, refinarias começam a ter dificuldades e empresas aéreas prometem repassar os preços do combustível aos passageiros.

Uma semana depois da eclosão dos conflitos, a Líbia está produzindo menos 25% do seu volume normal. Ontem, Kadafi usou sua declaração à TV estatal para fazer uma ameaça à UE e à comunidade internacional. "Se os cidadãos não vão trabalhar, o abastecimento de petróleo será cortado." Enquanto falava, o preço do barril registrava a alta de 10% na semana e o maior valor em mais de 30 meses.

Foi seguido por declarações de rebeldes de que todos os campos no sul da Líbia já não estavam sob seu controle. A meta dos rebeldes é secar a fonte de renda do governo. No caso da Líbia, 90% da arrecadação do governo vem do petróleo.

Diante do risco de desabastecimento, os sauditas tomaram a iniciativa de negociar um novo fornecimento, uma medida que viria acompanhada de alta na produção do cartel do petróleo. Em Riad, a constatação foi de que até a recuperação da economia mundial estaria ameaçada e um preço "justo" para o barril seria algo entre US$ 70 e US$ 80.

Uma das opções dos sauditas seria aumentar a produção e fornecer diretamente à Europa. Outra medida em estudo seria fechar um acordo com países africanos, como a Nigéria. O petróleo dessa região que iria para a China seria desviado para a Europa. Já o petróleo saudita que iria para Europa seria desviado para a China.

Mas nem todos na Opep concordam com os sauditas. Irã e Venezuela rejeitam a ideia de alta na produção, que faria os preços voltarem abaixo de US$ 100. Caracas e Teerã deixaram claro que são contrários à convocação de uma reunião de emergência do cartel, o que na prática impede qualquer decisão até junho. Ambos insistem que o fornecimento mundial não foi afetado.

Furacão. Não é essa avaliação do presidente da empresa italiana Eni, Paolo Scaroni. Segundo ele, a Líbia produz hoje apenas 400 mil barris por dia, ante uma média de mais de US$ 1,6 milhão antes da crise. O choque de abastecimento seria o maior no mundo desde o furacão Katrina, no Golfo do México, em 2005.

O governo russo também decidiu aproveitar a situação e declarar que estava pronto para suprir a Europa de petróleo, se necessário. Moscou e Bruxelas vem travando há anos uma guerra por causa do abastecimento, enquanto os europeus tentam reduzir sua dependência em relação aos russos. Mas a realidade é que, na Europa, que recebe 80% do petróleo líbio, refinarias como a Saras e Petroplus já encontram dificuldades para substituir o petróleo leve de Trípoli.

Uma opção poderia ser a Nigéria, mas analistas acreditam que o país africano não teria condições de rapidamente aumentar sua produção. A Argélia seria outra opção. Mas já produz acima até da cota estabelecida pela Opep. O petróleo do Azerbaijão também é considerado, mas o custo é mais elevado.

O consumidor também já começa a sofrer o impacto da crise. Segundo a Comissão Europeia, o litro de gasolina ontem estava a 1,28 na bomba, 1,2% acima da taxa na semana passada e perto do recorde para o período de inverno, estabelecido em 2008. Naquele momento, o barril estava a quase US$ 150.

O problema é que o preço de ontem não refletia ainda a alta do barril provocada pela crise na Líbia e é ainda um reflexo da tensão na Argélia, Tunísia e Egito.

A França deve sofrer, já que importa 15% de seu abastecimento da Líbia, onde a empresa Total tem importantes investimentos. "A alta do preço na bomba será inevitável", afirmou Jean-Louis Schilansky, presidente da União Francesa da Indústria Petroleira. A França, portanto, já se prepara para ver o litro chegar a 1,49, superior a junho de 2008.

A alta se soma ao aumento de 16% nos preços de energia na França em 12 meses, com impacto mais acelerado nos últimos dias. Na Espanha, o preço já se equipara ao recorde de dois anos atrás, com apenas oito centavos abaixo do nível mais baixo. A Repsol, que investiu mais de US$ 600 milhões na Líbia, admitiu ontem que já cortou sua produção pela metade no país árabe e que a interrupção terá impacto nas contas da empresa.

Outro impacto para o consumidor será sentido nos preços das passagens aéreas. A finlandesa Finnair já indicou que vai repassar a alta aos passageiros.

Fonte: TN Petróleo

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir