THE ECONOMIST CRITICA FACE POLÍTICA DO PRÉ-SAL


Tratado como a chave para o progresso do Brasil, o pré-sal ganhou atenção especial no exterior, no início do mês, além de uma análise mais crítica, o que, muitas vezes, fica em segundo plano na mídia nacional. Na edição de 5 de fevereiro, a The Economist, revista semanal inglesa, trouxe uma reportagem debatendo sem eufemismos o pré-sal brasileiro, especialmente o modelo de exploração que vem se apresentando e sendo adotado pelo governo.

De acordo com a reportagem, extrair o “ouro negro” da espessa camada de sal das águas profundas brasileiras trará como benefício o desenvolvimento tecnológico para o país, mas, a reboque, irá oferecer desafios políticos consideráveis, maiores que os técnicos. O texto afirma que os obstáculos políticos são quase tão assustadores quanto os geológicos – a revista explica que o solo do pré-sal tem que ser perfurado a pressões até três vezes maiores do que as encontradas em campos offshore “normais”.

As barreiras políticas, segundo a reportagem estão expressas em relação, principalmente, ao fato de que a Petrobras foi definida como a operadora única do pré-sal, participando de pelo menos 30% de qualquer consórcio. Para a The Economist, essa relação está levando a atrasos no cronograma de exploração e a preços inflacionados. Além disso, a capitalização da estatal, em setembro do ano passado, “envolvendo um poço de petróleo em troca de ações de swap com o governo diluiu a participação de acionistas minoritários e aumentou o espectro de interferência do Estado na gestão da Petrobras.

Corrupção
A publicação segue com críticas duras à política brasileira e seu envolvimento com os ganhos financeiros da nova fronteira exploratória. A reportagem afirma que “mesmo que a Petrobras passe no teste do pré-sal, o Brasil como um todo pode não o fazer.” Ela explica que a ideia do governo é colocar os rendimentos da atividade em águas profundas em um fundo soberano, para evitar a valorização da moeda e utilizar o dinheiro para o bem de gerações futuras.

Entretanto, diz a revista, como o que os políticos ganham com impostos já é abundante, não há razão para crer que os lucros do pré-sal sejam usados de maneira mais efetiva. “O fundo poderia muito bem se tornar um alvo para os políticos utilizarem como recursos para comprar votos”, condena a The Economist, citando ranking da ONG Transparência Internacional, no qual o Brasil figura na 69ª posição, entre 178 países, em termos de percepção da população relativa à corrupção do governo.

Fonte: Nicomex Notícias
nicomex@nicomex.com.br

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir