Gás natural avança como alternativa energética

O gás natural provavelmente irá tornar-se a fonte de energia preferencial, após decisões da Alemanha e de outros países europeus de rejeitar a energia nuclear.

O ministério suíço recomendou, na semana passada, o desmantelamento de seus cinco reatores nucleares. Na Itália, o governo de Berlusconi engavetou um plano de revitalização do uso da energia nuclear, proibida após um referendo em 1987.

"Precisamos mais gás. Após a decisão de Berlim, o gás será um motor de crescimento", disse Günther Oettinger, comissário europeu de Energia, compartilhando um sentimento cada vez mais expresso por analistas e executivos do setor energético.

O gás é relativamente abundante e mais limpo do que o carvão. Essas considerações estimularam o apoio de Bruxelas à construção de um extenso oleoduto, denominado Nabucco, que em 2017 deverá interligar a Áustria a "oceanos" de gás no Azerbaijão, reduzindo a dependência do bloco em relação à Rússia. A decisão sobre seguir ir em frente com o plano está prevista para este ano ou o próximo.

A Polônia e outros países europeus também estão defendendo o uso de fragmentação hidráulica para acessar depósitos de gás de xisto aprisionado em rochas, apesar das preocupações ambientais.

O gás responde por 23% da geração de energia na União Europeia, em comparação com 28% derivados de fontes nucleares e 19% de fontes renováveis de energia, como eólica e solar. Mesmo antes da crise no Japão, e da posterior decisão alemã de abandonar a energia nuclear, houve um acalorado debate em Bruxelas sobre a forma como essa cesta energética deveria mudar. As prioridades concorrentes são custo, vital para consumidores e indústria europeus, e as metas ambientais do bloco, especialmente a ambição de reduzir as emissões de carbono em 80% a 95% até 2050. A UE já se comprometeu em, até 2020, satisfazer cerca de 20% de suas necessidades totais energia usando fontes renováveis.

Andreas Carlgren, ministro do Meio Ambiente da Suécia, expressou preocupação, nesta segunda-feira, por, em sua pressa por proibir a energia nuclear, Berlim não ter definido um substituto não agressivo ao meio ambiente. "A questão decisiva para a Alemanha, agora, é que o país aumentará muito provavelmente as importações de eletricidade gerada por usinas nucleares francesas e correrá o risco de não conseguir aliviar a dependência em relação a combustíveis fósseis, principalmente do carvão", disse o deputado Carlgren à agência de notícias TT.

Custo é uma preocupação séria. Ronan O'Regan, diretor de energia e eletricidade na PwC, uma firma de consultoria, estima que a Alemanha poderá ter de gastar € 3 bilhões (US$ 4,3 bilhões) para cada mil megawatts de nova capacidade eólica no mar. Uma usina de eletricidade a gás equivalente custaria cerca de € 800 milhões.

"A questão interessante é se as energias renováveis podem cobrir o diferencial. Creio que, no curto prazo, será bastante desafiador", disse O'Regan. Mesmo que haja uma "febre" de uso das energias renováveis, o gás provavelmente também se beneficiará, devido à necessidade de um combustível emergencial, quando o vento não soprar ou o sol não brilhar. "Mais energias renováveis implicam também mais volumes de gás", disse Oettinger.

Fonte: Valor Econômico/Joshua Chaffin | Financial Times, de Bruxelas

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir