ANP altera regra de conteúdo local

A ANP poderá promover mudanças na regra de conteúdo local ainda este mês. Entre as possíveis alterações está a redução do índice exigido para árvores de natal molhadas de 85% para 60%. A agência já definiu um conjunto de propostas que foi enviado para o MME e poderá ser aplicado nos contratos de concessão da 11° Rodada de licitações.

A alternativa para reduzir o índice mínimo para as ANMs prevê a retirada de sub-sistemas como o sistema de automação, do cálculo do equipamento. A proposta da ANP é transferir a exigência para outra rubrica da tabela de índices mínimos, como Sistema de Automação. Com isso, é possível diluir o peso de componentes com menor oferta local no índice global.

Outra proposta em questão envolve a simplificação da tabela de índices de conteúdo local mínimo, com a consolidação de um sub-item específico dentro de outro mais abrangente. “O operador continuará buscando o conteúdo local dos sub-itens, mas dentro de um índice mais global”, explicou o Coordenador de Conteúdo Local da ANP, Marcelo Mafra.

Para os leilões de partilha poderão haver outras mudanças, como a adoção de certificados de conteúdo local por família de equipamentos em vez da exigência da certificação de cada equipamento contratado. A agência ainda está conversando com o mercado para definir as famílias que poderão ser consolidadas em um certificado.

Exploração
O mercado tem manifestado dificuldades para o cumprimento do compromisso de conteúdo local na fase de Exploração, especialmente na contratação de serviços de perfuração e sísmica. As principais alegações são a falta de fornecedores para a solução indicada no projeto ou o custo até 20% superior de equipamentos contratados no Brasil.

Para o diretor da Associação Brasileira das Empresas de Serviço de Petróleo (Abespetro), João Felix, a ANP deveria estudar a inclusão do investimento em inovação e centros pesquisa no cálculo do conteúdo local aplicado aos fornecedores. “Dado os desafios tecnológicos do pré-sal a equação do índice local deveria ser repensada ou as empresas poderão vir, mas não transferir conhecimento para o Brasil”, argumentou.

Uma das áreas que poderão ser beneficiadas pelo investimento em novas tecnologias é o da logística. De acordo com a diretora Executiva da Brasco/Wilson Sons, Renata Pereira, haverá uma grande demanda por novos processos. “O desenvolvimento do pré-sal vai demandar uma otimização da cadeia de suprimento, gestão da carga e localização de bases”, assinalou.

O superintendente de Tecnologia da Onip, Carlos Camerini, destacou a mão-de-obra como uma questão crítica para o desenvolvimento da indústria offshore. “Existem empresas estrangeiras querendo trazer treinamento para o país, mas falta mão-de-obra com capacidade mínima para aprender”, afirmou, chamando atenção para o déficit educacional do país.

Os desafios para o desenvolvimento da indústria foram discutidos na plenária “Dos campos maduros ao novo desenvolvimento do pré-sal: desafios e oportunidades offhsore no Brasil”, realizada nesta quarta-feira (15/06), na Brasil Offshore 2011, que acontece até a próxima sexta-feira (17/6), em Macaé.

Fonte: Energia Hoje

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir