Riqueza do pré-sal volta a dividir país

Se o Código Florestal vai exigir atenção do núcleo político do governo no Senado, a proposta de uma nova repartição dos royalties devidos pela exploração do petróleo na camada pré-sal desponta como um dos assuntos espinhosos para as novas ministras Gleisi Hoffmann (Casa Civil) e Ideli Salvatti (Relações Institucionais) na Câmara dos Deputados.

Nos dois casos, a discussão extrapola a polarização entre governo e oposição. As duas propostas dividem a base aliada e já foram responsáveis por importantes derrotas do Palácio do Planalto. Na votação de uma nova regra de divisão dos royalties, o governo Lula perdeu na Câmara e no Senado. Na deliberação sobre o Código Florestal, a derrota foi mais recente, já na gestão de Dilma Rousseff, na Câmara.

A preservação ambiental e a divisão da riqueza do petróleo, agora, retornam à pauta do Congresso. Por enquanto, o Código Florestal está encontrando no Senado um ambiente mais sereno para o debate. Presidentes das comissões técnicas (Constituição e Justiça, Agricultura e Meio Ambiente) e relatores que vão examinar a proposta fizeram acordo de procedimentos e tentam um grande consenso em torno das mudanças no texto. Há dúvidas se vão conseguir, mas, ao menos, está havendo esforço nesse sentido.

Governo busca solução para Código e royalties

A questão dos royalties, de novo tramitando na Câmara, parece mais complicada neste momento. O embate entre Estados produtores de petróleo - Rio de Janeiro e Espírito Santo, mas principalmente o primeiro deles - e os demais entes da federação ressurgiu com força.

Representantes de Estados não produtores de petróleo, especialmente do Norte e do Nordeste, voltaram a se mobilizar em torno de uma proposta que amplia sua participação nos recursos provenientes dos royalties do petróleo extraído no mar - pré-sal ou não, inclusive dos resultantes da exploração dos campos já licitados.

À frente da proposta, o senador Wellington Dias (PT-PI), submeteu-a à nova ministra da Casa Civil, ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP) e a governadores do Norte e do Nordeste.

A ideia é que os Estados produtores continuem recebendo o montante equivalente à média dos últimos cinco anos e que o restante seja dividido entre União (40%) e todos os Estados (30%) e municípios (30%) do país. O critério de distribuição seria o dos fundos de participação dos Estados (FPE) e dos municípios (FPM).

Dias e o deputado Marcelo Castro (PMDB-PI), autores do projeto, tentam obter consenso em torno do texto, a fim de que ele seja aprovado como substitutivo a um projeto de Lula que tramita na Comissão de Minas e Energia da Câmara. No entanto, o relator, deputado Fernando Jordão (PMDB-RJ), descarta totalmente essa possibilidade.

Aliado do governador do Rio, Sérgio Cabral, Jordão é claramente favorável à manutenção do que considera "direitos adquiridos" dos Estados produtores nessa questão. O projeto do qual ele é relator foi enviado pelo ex-presidente ao Congresso no último dia do seu mandato, para preencher o vácuo legal deixado por seu veto à "Emenda Ibsen", aprovada na Câmara contra a orientação do governo e reforçada no Senado por emenda de Pedro Simon.

Incluída no projeto sobre o marco regulatório da exploração da camada pré-sal, essa emenda determinava a distribuição dos royalties do petróleo extraído do mar entre todos os Estados e municípios do país, pelos critérios dos fundos de participação (FPE e FPM). Os Estados produtores ou confrontantes (cujos territórios ficam defronte dos campos) perderiam o tratamento diferenciado e caberia à União compensá-los pelas perdas. Atualmente, o Rio fica com mais de 80% dos royalties destinados aos Estados.

Cabral chorou em público, acusou o Congresso de querer "roubar" o Rio e articulou a reação com o então governador do Espírito Santo, Paulo Hartung. Lula ficou do lado deles. Vetou a regra aprovada no Congresso e enviou novo projeto, que prevê repartição mais equânime dos recursos, restaurando acordo feito com os governadores, sem atingir os campos já explorados.

É esse projeto que encontra-se na Câmara, sob a relatoria de Fernando Jordão. Empenhado em manter os recursos que Rio e Espírito Santo recebem, ele reconhece que a pressão é grande e não há como deixar de ampliar a participação dos demais nos recursos da exploração do petróleo. A avaliação é que, se o projeto de Lula for submetido à votação sem mudanças, o governo será novamente derrotado.

Para evitar que os outros entes da federação avancem sobre os recursos dos Estados produtores, Jordão pretende negociar com o governo mudanças no projeto para que a União ceda parte dos ganhos que terá no novo modelo de exploração do pré-sal, o de partilha de produção, para essas unidades da federação.

A tramitação da proposta praticamente não avançou na comissão de Minas e Energia. O relator diz estar ouvindo interessados, mas ainda não se reuniu com governadores de Estados não produtores nem com interlocutores de Dilma Rousseff.

Alega que a demora deve-se às "turbulências" provocadas pela discussão do Código Florestal na Câmara e pela crise do governo com o desgaste de Palocci e as mudanças de ministros. "Agora é a hora falar dos royalties. Uma coisa de cada vez", diz ele.

Se quiser evitar nova derrota, o governo precisa apresentar alternativa. E isso vale para os dois casos, o código e os royalties. No caso dos recursos do petróleo, paira ainda a ameaça de derrubada, pelo Congresso, do veto de Lula à Emenda Ibsen.

Da outra vez, a votação ocorreu em período pré-eleitoral, o que aumentou o peso do interesses locais. O tempo passou e agora é a eleição municipal de 2012 que se aproxima. O ingrediente eleitoral estará de volta.

Fonte: Valor Econômico/Raquel Ulhôa

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir