Gabrielli fala sobre os novos desafios do pré-sal


O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli de Azevedo, participou nesta terça-feira (16/8) do seminário “Debates Estadão – Os Novos Desafios do Pré-Sal”, realizado na sede do jornal O Estado de São Paulo. Também participaram do seminário, a diretora de Exploração e Produção da ANP, Magda Chambriand, o diretor geral da ONIP, Elói Fernández y Fernández, o analista do BTG Pactual, Gustavo Gattas, o editor-chefe da Agência Estado, João Caminoto e o professor do Instituto Fernand Braudel, Norman Gall.

Gabrielli falou das perspectivas do mercado brasileiro e a necessidade de construir mais refinarias para atender a crescente demanda. Renovação da frota de navios, flexibilidade da oferta de gás e investimentos na produção de ureia e amônia demonstram, segundo o presidente, a grandiosidade do Plano de Negócios 2011-2015 da empresa. “O programa é gigantesco. O investimento de 224,7 bilhões é maior do que o Plano Marshall (plano americano para a reconstrução dos países aliados da Europa nos anos seguintes à Segunda Guerra Mundial). A cada segundo, nos próximos cinco anos, serão investidos de 2 a 2,3 mil reais.”

Sobre a diferença entre a atividade exploratória no Mar do Norte e no pré-sal brasileiro, o presidente da Petrobras disse que lá as descobertas aconteceram num momento em que não havia nem experiência nem tecnologia na exploração em águas profundas. “Nossa situação é diferente. Aqui, nos últimos 30 anos, a Petrobras cresceu 10% ao ano em média. A soma do que tem a segunda, a terceira e a quarta maiores empresas dá menos do que a Petrobras tem em águas profundas. Temos as condições necessárias para o sucesso do nosso plano.”

De acordo com o Plano de Negócios 2011-2015, a participação do pré-sal na produção de petróleo da Petrobras no país passará dos atuais 2% em 2011 para 18% em 2015 e para 40,5% em 2020. Hoje são 15 sondas de perfuração acima de 2 mil metros. Em 2020, esse número chegará a 65. Hoje são 287 barcos de apoio. O objetivo é elevar esse número para 568 em 2020.

De acordo com o presidente José Sergio Gabrielli, novas tecnologias irão potencializar a produção de campos em declínio, além de diminuir o tempo e o custo na perfuração de novos poços. “São sistemas de bombeamento submarino, separação submarina gás-líquido, separação submarina água óleo, injeção submarina de água do mar, transmissão e distribuição elétrica submarina. Algumas dessas tecnologias já estão sendo utilizadas.”

Fonte: Agência Petrobras

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir