Início da produção de gás no pré-sal previsto para a próxima semana


O diretor de Exploração e Produção da Petrobras, Guilherme Estrella, revelou, na manhã desta quinta-feira (01/09), que a produção de gás no pré-sal deve começar já na próxima semana. “É um fato histórico”, avaliou, durante palestra que abriu seminário sobre o desenvolvimento da cadeia de fornecedores de petróleo e gás, realizado na sede do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no Rio de Janeiro.

“Acabo de receber a notícia de que o gasoduto que liga o campo de Lula à plataforma de Mexilhão já está sendo pressurizado e, na próxima semana, devemos ter o primeiro gás do pré-sal no mercado brasileiro”, adiantou o diretor. “Conseguimos, apenas cinco anos após a descoberta do pré-sal, colocar esse campo em produção de óleo e gás. E ele está a 300 km da costa”, comemorou.

Estrella ressaltou o crescimento da produção previsto para os próximos anos. Hoje, a Petrobras produz 2,5 milhões de barris de óleo equivalente por dia (óleo e gás) no Brasil e no exterior. “Nossa previsão é chegar a 3,7 milhões em 2015 e 6 milhões de bpd em 2020. Esse crescimento é produto da descoberta do pré-sal”.

O diretor observou ainda a importância de toda a Bacia de Santos. “Mais importante que o pré-sal foi a Bacia de Santos. Começamos por Mexilhão, em 2003, depois a descoberta de Uruguá-Tambaú e então passamos a perfurar o sal”, relembrou. Na sua avaliação, “a Bacia de Santos, pelo seu tamanho, suplantará a Bacia de Campos com muita rapidez na exploração e produção de petróleo e gás”.

Diretor destaca importância do conteúdo nacional
O diretor destacou a importância estratégica de desenvolver a cadeia de fornecedores no Brasil, ressaltando que as empresas brasileiras sempre estiveram junto à Petrobras ao longo da história da Companhia. “Contabilizamos que precisaríamos de 40 navios-sonda (para perfuração). Esses equipamentos têm forte demanda por motivos geológicos, pois grande parte das descobertas hoje se dá em águas profundas e ultraprofundas. Contratamos então as 12 primeiras sondas no exterior, que estão chegando. As outras 28 sondas serão construídas, pela primeira vez, no Brasil. Sete já foram licitadas e 21 estão em licitação”, contabilizou o geólogo, acrescentando que elas terão entre 55% e 65% de conteúdo nacional. “É um índice alto, pois essas sondas, que são altamente complexas, nunca foram feitas no País”.

O diretor enumerou os setores mais críticos, que ainda contam com poucos fornecedores nacionais. Entre eles estão os segmentos de turbomáquinas, instrumentação e automação, estrutura de sistemas navais, tubulação e válvulas, além de telecomunicações. Ele destacou que a Petrobras tem desenvolvido estratégias específicas para esses setores. ”Já foi firmado acordo com a Rolls Royce para a produção de turbinas e, no contrato, há uma série de cláusulas que obrigam fornecedores a se instalarem no Brasil. Isso vai desde a manutenção das turbinas, que hoje também é feita fora, até a criação de departamentos de engenharia no Brasil”, exemplificou.

Prominp comemora expansão de crédito na cadeia de fornecedores
Durante o seminário, o coordenador executivo do Programa de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo e Gás Natural (Prominp), José Renato Ferreira de Almeida, divulgou um balanço do Progredir. A inciativa tem como objetivo viabilizar, de forma ágil e padronizada, a oferta de crédito a custo reduzido para todas as empresas que integram a cadeia de fornecedores da Companhia. De acordo com Almeida, as operações de financiamento estão em ritmo de crescimento e já totalizam recursos da ordem de R$ 340 milhões, pactuados em 62 contratos de crédito. A redução de custo dos financiamentos concedidos pelo programa tem superado os 20% esperados, chegando a 40% em alguns casos.

O acesso ao crédito foi um dos gargalos apontados pelos palestrantes como inibidor da capacidade de produção da indústria nacional de petróleo e gás. Ao comentar o assunto, o coordenador do Prominp citou as linhas de crédito abertas pelo BNDES para o segmento e o Programa Progredir, como via complementar no financiamento de capital de giro. Essas novas ferramentas visam a ampliar o acesso ao crédito, inclusive com custos reduzidos para o tomador.

O Progredir, que faz parte das ações estratégicas previstas pelo Plano de Negócios da Petrobras 2011-2015, busca o fortalecimento e a ampliação da cadeia produtiva, explicou Almeida. O programa foi desenvolvido em parceria com os seis maiores bancos de varejo do país – Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Itaú, HSBC e Santander – e com o Prominp. Como alcança até o 4º elo da cadeia de fornecedores da Petrobras, o universo estimado de tomadores potenciais de recursos é de aproximadamente 250 mil empresas.

Fonte: Agência Petrobras

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir