Laboratório de Micropaleontologia irá impulsionar pesquisas sobre o pré-sal


A América Latina acaba de ganhar um de seus mais modernos laboratórios de micropaleontologia. Um dos pioneiros situados em ambiente acadêmico, o empreendimento, localizado no campus da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), em São Leopoldo (RS), é resultado de parceria com a Petrobras e conta com mais de 1500 metros quadrados destinados à pesquisa de microfósseis – resquícios da vida pretérita da Terra e se encontram alojados nas rochas sedimentares. Foram investidos R$ 3,5 milhões.

São cinco laboratórios e gabinetes de pesquisa que possibilitarão estudar, datar e correlacionar rochas (bioestratigrafia), interpretar antigos ambientes de sedimentação, além de fazer uma avaliação e monitoramento ambiental. Os estudos são fundamentais em um período em que o Brasil inicia a exploração de grandes jazidas petrolíferas na camada do pré-sal.

Construído de acordo com a norma ISO 14001, que visa a reduzir os impactos ambientais dos resíduos gerados, o espaço também abriga uma central analítica que poderá realizar análises em Microscópio Eletrônico de Varredura (MEV), equipamento capaz de produzir imagens de grande aumento e alta resolução, e análises do Carbono Orgânico contido nas rochas sedimentares.

O laboratório possibilitará que os cerca de 30 pesquisadores, técnicos, estagiários e alunos trabalhem de forma mais direta com a Petrobras. Para o coordenador do laboratório, Gérson Fauth, novos projetos poderão ser elaborados e “o novo laboratório irá dar continuidade a esse trabalho de forma ainda mais intensa”.

Durante o evento de inauguração, realizado na última semana, o gerente executivo de Exploração e Produção da Petrobras, Mario Carminatti, ressaltou que o prédio “é uma parte importante na caminhada do desenvolvimento, para que a sociedade brasileira seja mais justa e independente nas áreas de ciência e tecnologia”. Para Edison Milani, gerente geral de Pesquisa e Desenvolvimento de Geociências do Centro de Pesquisas da Petrobras (Cenpes), o laboratório é fruto da competência coletiva que existe na Unisinos: “São pesquisadores altamente capacitados, hábeis em apresentar soluções aos desafios científicos da Micropaleontologia e em atrair jovens estudantes para a disciplina. Há ainda uma gestão eficiente dos recursos, o que contribuiu para essa parceria. Trata-se de um fato altamente relevante para a pesquisa de Geociências no Brasil”, concluiu Milani.

Redes Temáticas
O modelo das Redes Temáticas foi criado pela Petrobras em 2006, voltado para o relacionamento com as universidades e institutos de pesquisas brasileiros. Hoje já há 50 redes operando em parceria com mais de 100 universidades e instituições de pesquisas de todo o Brasil. Nas redes, as instituições desenvolvem pesquisas em temas estratégicos para o negócio da Petrobras e para a indústria brasileira de energia. Com investimento anual de cerca de R$ 460 milhões, a Companhia possibilita àsinstituições conveniadas a implantação de infraestrutura, aquisição de modernos equipamentos, criação de laboratórios de padrão mundial de excelência, capacitação de pesquisadores/recursos humanos e desenvolvimento de projetos de Pesquisa & Desenvolvimento nas áreas de interesse, como petróleo e gás, biocombustíveis e preservação ambiental.

Fonte: Agência Petrobras

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir