País tem tecnologia antivazamento de petróleo e não usa


Atrasado quase 12 anos na formulação de seu Plano Nacional de Contingência (PNC), determinado pela Lei 9.966, de 28 de abril de 2000, o Brasil poderia ter um sistema de monitoramento dos vazamentos de petróleo no mar desde 2001, se não fosse a falta de definição sobre as responsabilidades de entidades governamentais e empresas. Mesmo diante dos recentes vazamentos de óleo no país, um laboratório montado por meio de convênio entre a Agência Nacional do Petróleo (ANP) e o Instituto Luiz Alberto Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia (Coppe) da UFRJ naquele ano, é usado, desde 2002, para fornecer o serviço à Petróleos Mexicanos (Pemex).

Ao custo de R$ 6 milhões, o convênio equipou o Laboratório de Monitoramento e Modelagem (Lab2M) da Coppe com três antenas receptoras de dados, computadores e softwares para a produção de modelos hidrodinâmicos, que simulam as condições do clima e do mar para prever o deslocamento das manchas de óleo. A operação custaria cerca de R$ 10 milhões por ano — ou seja, 1% dos recursos previstos no PNC — e exigiria no máximo dez pessoas, afirma o coordenador do Laboratório de Métodos Computacionais em Engenharia da Coppe/UFRJ (Lamce), Luiz Landau

— Fizemos o convênio e oferecemos a estrutura ao governo, mas a resposta que sempre obtivemos é que o plano de contingência designaria os responsáveis pela operação — diz Landau.

As imagens usadas na análise são fornecidas pela empresa canadense MDA. De acordo com teste feito pela Coppe no Golfo do México, o sistema foi capaz de detectar uma mancha correspondente a 400 litros de óleo, ou menos de três barris.

— O que propomos é um sistema de monitoramento autônomo em relação ao das empresas, em caráter permanente, com a união de várias instituições de ensino — explica o diretor do Lamce.

A Petrobras considera fundamental a entrada em vigor do PNC para definir os papéis de Ibama, Marinha, Agência Nacional do Petróleo (ANP), Polícia Federal, Receita, governos estaduais e municipais em casos de acidente, diz o gerente-executivo de Segurança, Meio Ambiente, Eficiência Energética e Saúde (SMES) da empresa, Ricardo Azevedo. Para ele, é importante haver um regime específico para a entrada de técnicos estrangeiros no país, em caso de um acidente, assim como um regime especial da Receita Federal para a entrada de equipamentos no país.

Manutenção exigiria R$ 30 milhões por ano
O financiamento das ações será por meio de “dotações orçamentárias específicas alocadas no orçamento geral da União, observados os limites anuais de movimentação e empenho e de pagamento”. O valor, pulverizado em vários órgãos, chegaria a R$ 1 bilhão. Para o advogado Cláudio Araújo Pinho, especializado na área de petróleo e gás, o Brasil deveria adotar uma política semelhante à do Fundo de Responsabilidade sobre Vazamentos de Óleo (OSLTF, na sigla em inglês):

— O OSLTF tira hoje 5 centavos de dólar por barril, podendo chegar a 50 centavos em caso de grandes emergências. Quando houve o acidente da BP, a taxa foi a 43 centavos, e a resposta das empresas a isso foi que investiram mais na segurança das operações.

Especialistas cobram mais investimentos no desenvolvimento de tecnologias capazes de prevenir os acidentes, de grande e pequeno porte e criticam o formato de financiamento previsto no PNC, e a falta de uma entidade representativa das empresas que exploram petróleo no mar, a exemplo das que existem nos Estados Unidos e na Noruega.

A criação de um grupo interdisciplinar de especialistas para atuar na solução dos “gargalos técnicos” da prevenção de acidentes, de acordo com o diretor de Inovação e Tecnologia da Coppe, Segen Estefen, torna-se mais necessária com a perspectiva da exploração maciça do pré-sal. Ele afirma que a manutenção da equipe exigiria por volta de R$ 30 milhões por ano.

Segundo ele, a Coppe colocou à disposição do Ministério de Minas e Energia os laboratórios que promovem testes de resistência de materiais usados na exploração a pressões equivalentes a até 5 mil metros de profundidade e corrosão por gás sulfídrico e outros gases nocivos encontrados no fundo do mar, bem como um tanque que simula as condições do oceano. Atualmente, os equipamentos são usados esporadicamente sob demanda de empresas do setor.

— Com as demandas do pré-sal, precisamos investir em excelência nesta área e melhorar o desenvolvimento de protocolos de resposta, em vez de adotar respostas pontuais — explica.

Organização ajuda na resposta a vazamentos
Organizadas em grupos, as empresas poderiam oferecer respostas mais eficazes aos grandes vazamentos, apontam os especialistas. Os dois principais grupos deste tipo no mundo são a Associação Nacional de Indústrias do Oceano, dos Estados Unidos e a Associação Norueguesa de Controle de Vazamentos de Óleo (Noia e Nosca, respectivamente, nas siglas em inglês).

A Petrobras é a favor da iniciativa, segundo Azevedo:
—- É um investimento muito grande na compra de equipamentos e para montar toda uma estrutura, que hoje está só na mão da Petrobras, mas que poderia ser rateado de acordo com o crescimento do mercado.

Os ministérios do Meio Ambiente e de Minas e Energia dizem que só se pronunciarão quando o PNC for lançado oficialmente.

Fonte: O GLOBO

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir