Atraso na entrega da P-55 adia primeiro óleo da unidade


O diretor de Exploração e Produção da Petrobras, José Formigli, disse na manhã de quinta-feira (17), durante teleconferência para analistas, que o atraso na entrega do casco da plataforma P-55 pelo Estaleiro Atlântico Sul (EAS) atrasará em um ano o início de produção de petróleo da unidade. A P-55 atuará no campo de Roncador, na bacia de Campos. Segundo o executivo, o primeiro óleo, previsto inicialmente para o final de 2012, será extraído somente no final de 2013. A unidade tem capacidade para produzir 180 mil barris diários.

Além da P-55, o EAS também atrasou, em dois anos, a entrega do navio João Cândido para a estatal. A nova previsão de entrega da embarcação é para o dia 25 de maio.


A demora de expansão da produção da Petrobras é uma das principais críticas dos investidores, que nos últimos cinco anos viram a empresa descumprir metas traçadas. Em 2011 a expectativa era de uma produção média de 2,1 milhões de barris diários de petróleo, mas ficou em 2,02 milhões.


Outro impacto que afetará a produção da Petrobras é a parada do campo de Frade, operado pela Chevron. A estatal possui uma participação de 30% na produção de cerca de 70 mil barris diários.


A empresa informou que está aguardando o fim dos estudos elaborados pela companhia americana sobre o acidente ocorrido em novembro do ano passado, para fechar a estimativa da meta de produção para este ano. Na ocasião, vazaram pelo menos 2,4 mil barris de petróleo no mar da bacia de Campos.


Em agosto a estatal pretende divulgar o Plano de Negócios para 2012-2016, e a intenção é apresentar uma meta que possa ser cumprida. Mesmo assim, o valor que será anunciado não deve ficar muito acima dos US$ 224,7 bilhões previstos para 2011-2015.


"Frade é importante para essa meta", disse Formigli. Ao responder uma pergunta sobre o abandono do campo de Frade, Formigli afirmou: "há possibilidade, mas não trabalhamos com essa hipótese".


O executivo informou ainda que entre junho e julho será iniciado o projeto piloto de separação de água e petróleo no fundo do mar, no campo de Marlim, na bacia de Campos. O Separador Submarino Água-Óleo (SSAO) foi desenvolvido e projetado pela FMC, e testado no Centro de Pesquisas da empresa, inaugurado em janeiro no Parque Tecnológico do Fundão, na Ilha do Governador (RJ).


Pré-sal

Segundo Formigli, a produção no campo de Sapinhoá, na bacia de Santos, poderá ser antecipada. O primeiro deve ser extraído em 2013, mas o diretor não detalhou o mês e nem de quanto seria a antecipação.


Sapinhoá, na área de Guará, teve sua comercialidade declarada em dezembro do ano passado. O campo está localizado no bloco BM-S-9, no pré-sal da bacia de Santos, e tem óleo de boa qualidade (30 graus API).


Com volume recuperável total estimado em 2,1 bilhões de barris de óleo equivalente (boe), Sapinhoá é um campo gigante descoberto em rochas do pré-sal brasileiro e um dos maiores do país.

Fonte: TN Petróleo

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir