Indústrias offshore anunciam expansão e dão novo ânimo a Macaé


A crise ainda parece longe do fim. Afinal, as causas vão muito além de seus limites territoriais. Mas a cidade que mais sofre com a desvalorização do barril de petróleo no mercado mundial, agravada pela avalanche de denúncias de corrupção contra a Petrobras na Operação Lava Jato, ainda tem fôlego para garantir o título de “capital nacional do petróleo” por um bom tempo. Grandes empresas do setor anunciam que pretendem manter seus projetos de expansão em Macaé.

A Oil States Industries do Brasil está investindo R$ 60 milhões para ampliar sua planta no bairro Cavaleiros, em área de 70 mil metros quadrados na Linha Azul. A expectativa é gerar 100 empregos diretos e 50 indiretos. O projeto da nova unidade para reparo de risers (tubos de conexão aos poços de petróleo) está em fase de aprovação pela Secretaria de Obras e será executado em duas fases.

“A empresa acredita que essas ‘ondas’ de crise vêm e vão. Os investimentos são feitos de forma mais cautelosa e, por isso, esse projeto de Macaé será feito em duas fases. Estamos na fase inicial. Quando começar a crescer, complementamos a construção”, explica o diretor da Oil States no Brasil, Marcio Robles.

Há dez anos na cidade, a empresa espera que a licença saia até o final deste mês e, em junho, comece a obra. “A construção de uma planta tem visão de longo prazo. A expectativa é que o cenário do setor de petróleo comece a melhorar em três anos. Neste momento é preciso focar no fluxo de caixa”, afirma Robles.

A multinacional americana National Oilwell Varco (NOV) também está investindo R$ 250 milhões na construção de uma fábrica de risers na cidade. Cerca de 250 trabalhadores foram contratados para a obra, em dezembro. Atualmente, a empresa possui 550 funcionários e a meta é chegar a 800, quando a nova unidade ficar pronta.

De acordo com o secretário de Desenvolvimento de Macaé, Vandré Guimarães, a AF Global anunciou na semana passada que vai contratar mais 70 trabalhadores na cidade para cumprir um novo contrato, de R$ 60 milhões com a Petrobras, para manutenção de risers. Atualmente, a empresa tem 400 funcionários no município. “Falam de Macaé como a cidade que quebrou, que faliu. O nível de emprego foi reduzido (cerca de 3 mil postos foram fechados nos primeiros três meses deste ano), mas o petróleo continua uma atividade econômica pujante.”

Segundo ele, informação não-oficial da Petrobras revela que a Bacia de Campos tem reservas provadas de petróleo até 2060. Ou seja, pelo menos até lá, a megaestrutura montada na cidade para atender a principal bacia petrolífera do país não deverá ser desmobilizada. Se depender do prognóstico, o petróleo ainda vai jorrar por muito tempo na região mais rica do estado.

A grande esperança, diz Guimarães, é a divulgação do plano de negócios da Petrobras, prevista para ocorrer até maio. “A falta de credibilidade da Petrobras causa problemas para empresas que prestam serviços. Com o plano, o mercado vai ficar mais seguro. Vai entender que a Petrobras tem capacidade de honrar com esses investimentos, o que diminui a desconfiança dos agentes financeiros”, avalia.

Projetos de mais de R$ 1 bilhão

Um levantamento da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços (Sedeis) mostra que oito empreendimentos da cadeia de óleo e gás deverão se instalar ou ampliar atividades em Macaé. Somente Aker Solutions, Brazil Suplly, Transocean e Trelleborg juntas deverão investir R$ 920 milhões, gerando pelo menos 1.750 empregos. O estudo não apresenta investimentos e empregos previstos por Halliburton, Vallourec, Bardot e MPE.

Segundo a prefeitura, Statoil, Continental e Schlumberger também têm projetos de instalação ou expansão. “Empresas com contratos longos não vão ver a crise e não vão demitir. A Odebrecht, por exemplo, tem contratos até 2020”, diz Guimarães. A notícia de que a Petrobras vai paralisar os investimentos em perfuração favorece a cidade, já que o foco será manter a produção nos poços já furados, a maior parte, no pós-sal da Bacia de Campos — e não no pré-sal da Bacia de Santos.

Fonte: O Dia

Licença Creative CommonsTodo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-Sem Derivações 4.0 Internacional.

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir