Mais produtivo, pré-sal exige menos investimento da Petrobras


Em tempos de corte de investimentos, a Petrobras beneficia-se da maior produtividade do poços do pré-sal, que jorram um volume maior de óleo do que o previsto.

Desse modo, são necessários menos recursos para a compra de equipamentos, instalação de plataformas e perfuração de novos poços. Ou seja, a estatal produz mais com menores investimentos.

Quando a exploração dos campos da bacia de Santos (a mais importante do pré-sal) foi planejada, em 2010, a estimativa era de uma produtividade média de 15 mil barris por dia em cada poço.

A produção atual, porém, é de 25 mil barris/dia, em média, em cada um dos 17 poços perfurados nos dois campos ativos –Lula e Sapinhoá.

Prioridade máxima da companhia diante do retorno rápido, o pré-sal é, assim, também uma ferramenta para a estatal reduzir investimentos diante das dificuldades de caixa e do custo maior de captar recursos após a perda do grau de investimento.

A companhia não fala em valores a serem investidos nem no tamanho no corte de seu orçamento. Diz apenas que seu plano está sob revisão e que "os poços em produção têm apresentado potencial acima do previsto", o que "otimiza investimentos".

AJUDA DO PETRÓLEO

O presidente do IBP (Instituto Brasileiro do Petróleo), Jorge Camargo, ex-diretor da estatal, diz que a queda do petróleo também ajuda a reduzir o custo dos investimentos no setor, pois os preços de serviços e equipamentos seguem a cotação do óleo.

O instituto defende o fim da exclusividade da Petrobras como operadora única do pré-sal, o que poderia ampliar e antecipar a exploração da reserva –apenas um terço da área total está sob concessão ou foi cedida à Petrobras e parceiros.

Pelas regras do regime de partilha de produção vigente apenas para o pré-sal, a estatal lidera todos os consórcios com, ao menos, 30% de participação. É responsável pela contratação de equipamentos e serviços, além de liderar o planejamento do desenvolvimento dos campos.

Neste momento, a regra é vista no setor como um tiro no pé, pois obriga a estatal a investir pelo menos 30% do custo total, sem ter recursos disponíveis. Tal situação deve postergar o início da produção de áreas cedidas pela União à estatal.

Se o preço mais baixo do petróleo –que saiu no fim de 2014 de uma faixa superior a US$ 100 o barril para US$ 60 –barateia o investimento, ele também reduz a geração de caixa dos campos do pré-sal, contribuindo menos para a receita da estatal. A província já responde por um terço da extração de óleo do país.

Maurício Figueiredo, vice-presidente para o Brasil e América Latina da Baker Hughes (uma das principais fornecedoras da Petrobras), diz que a rentabilidade dos campos é afetada pela queda da cotação do petróleo, embora o tempo médio de perfuração do poços caiu, o que também ajuda a antecipar receitas.

Fonte: Folha de São Paulo/PEDRO SOARES DO RIO
Imagem: Agencia Petrobras

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir