Dedini e Novozymes assinam acordo sobre etanol celulósico

A Dedini Indústrias de Base, líder no mercado sucroalcooleiro; e a Novozymes A/S, empresa dinamarquesa líder mundial em bioinovação, assinaram um memorandum de entendimento para dar continuidade à pesquisa e desenvolvimento de uma rota tecnológica para a produção de etanol celulósico no Brasil.

Os parceiros tiveram um encontro em Piracicaba, SP, e esperam se beneficiar do potencial comercial do etanol celulósico no país diante da grande disponibilidade de bagaço de cana. O Brasil é o maior produtor mundial de cana-de-açúcar, com uma moagem superior a 600 milhões de toneladas ao ano, dos quais 27 bilhões de litros são utilizados na produção de etanol.

Novozymes, detentora de quase metade do mercado mundial na produção de enzimas e soluções enzimáticas, apresentou recentemente a primeira enzima comercialmente viável para a produção de etanol celulósico. As enzimas decompõem os resíduos agrícolas, como palha de milho, palha de trigo, aparas de madeira e bagaço, permitindo a fermentação do etanol. A Dedini, que fabrica equipamentos para o mercado sucroalcooleiro, desenvolveu um processo químico de hidrólise com ácido diluído e utilizando um solvente da lignina. O objetivo dessa parceria é desenvolver um processo que utiliza a rota da hidrólise enzimática a partir de resíduos da cana-de-açúcar e que resultará na implantação de uma usina de demonstração, integrada a uma refinaria.

Para José Luiz Olivério, vice-presidente de Tecnologia e Desenvolvimento da Dedini, este é um passo importante no sentido de tornar o etanol celulósico uma realidade.

"Nós já tivemos grandes avanços com o DHR-Dedini Hidrólise Rápida, uma tecnologia que utiliza o processo com ácido diluído. Há cerca de dois anos, a Dedini busca parceiros para permitir uma solução em escala industrial, baseado na combinação de experiências e tecnologias que possam resultar na produção sustentável de etanol celulósico no Brasil", disse Olivério. "A parceria com a Novozymes vai contribuir significativamente para atingir este objetivo", completou.

"Considerando a demanda por etanol no Brasil e a quantidade de bagaço disponível, há uma oportunidade considerável de crescimento neste mercado. A parceria com a Dedini, a maior fornecedora de tecnologia e equipamentos para a indústria da cana brasileira, vai nos ajudar a abrir este potencial mercado", disse o presidente mundial da Novozymes, Steen Riisgaard, que esteve no Brasil na última semana.

Fonte: TN Petroleo

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir