Petroleiros denunciam tortura psicológica contra aposentados ao Ministério Público Federal

O Sindicato dos Petroleiros do Rio (Sindipetro-RJ) encaminhou, na tarde desta terça-feira, 17, ao Ministério Público Federal, carta denunciando tortura psicológica e assédio moral aos trabalhadores da terceira idade, praticados pela Petrobrás. Cópias do documento, intitulado “Corrente de Justiça”, também foram entregues à CNBB, à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), à Organização Internacional do Trabalho (OIT) e às comissões de direitos humanos da Câmara de Deputados e do Senado. A seguir, a íntegra do documento.

Corrente de Justiça

A direção do Sindipetro-RJ denuncia que a direção da Petrobrás está torturando psicologicamente e assediando trabalhadores da terceira idade, principalmente os aposentados, homens e mulheres que dedicaram os melhores anos de suas vidas para construir a empresa.

Os aposentados têm um contrato com a Petros, oneroso, que pagaram durante a vida ativa na companhia e continuam a pagar na aposentadoria. Esse contrato garante proventos no valor de 90% do que receberiam se estivessem na ativa. Mas a direção da Petrobrás, desde o governo FHC, criou as chamadas “remunerações variáveis” e, através desses artifícios, que os trabalhadores chamam de “fraudes salariais”, lesam o direito dos aposentados.

A coisa é tão vergonhosa que a Petrobrás não cumpre o contrato com a maioria dos inativos, mas trata aposentados que retornam a empresa, para ocupar cargos de confiança (diretoria ou gerência), de forma diferenciada, com remuneração plena, PLR e plano de saúde 100% pago pela empresa.

Com a chegada do governo Lula, os trabalhadores acreditavam que essa política de RH acabaria. Ledo engano. No afã de maltratar os antigos funcionários, nem decisão do Supremo Tribunal Federal a direção da Petrobrás respeita. O STF decidiu que aposentadoria não extingue contrato de trabalho. Com essa decisão, os antigos funcionários poderiam se aposentar e continuar trabalhando, o que já é uma realidade em empresas privadas, públicas e outras estatais.

Mas a direção da Petrobrás, em total desrespeito à lei, pune os funcionários que aderem a decisão do STF. Por exemplo: em caso de afastamento por doença, depois de 15 dias o afastado perde o direito à Assistência Médica Supletiva (MAS) e ao complemento salarial, pago através da Petros. Recentemente, agora em agosto, o Sindipetro-RJ precisou ir à Justiça para, através de liminar, garantir o direito à AMS para a petroleira Maria Lúcia Vieira, internada em estado de coma.

Por isso criamos a “Corrente de Justiça”, um movimento formado por petroleiros aposentados e da ativa. Por isso continuaremos acorrentados nas grades da sede da Petrobras, na Avenida Chile, no Rio, por tempo indeterminado.

Nosso protesto é, sobretudo, contra o desrespeito e o terrorismo praticados contra aqueles que ajudaram a transformar a Petrobrás na grande empresa que é.

Fonte: APN

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir