SÃO PAULO LANÇA PROJETO DE PETRÓLEO E GÁS

A última semana do setor petrolífero começou com destaque para uma afirmação do secretário de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis do Ministério de Minas e Energia, Marco Antônio Martins Almeida, dizendo que o acidente com a plataforma da British Petroleum (BP) seria evitado no Brasil. Segundo ele, muito do que aconteceu no Golfo do México ainda precisa ser investigado, mas, de acordo com o que já foi apurado, algo semelhante não teria ocorrido no país. O secretário ainda declarou que o vazamento serve para avaliar se é preciso mudar algum procedimento de segurança.

Na terça-feira, dia 10, os jornais trouxeram notícias de que a estatal petroleira da Venezuela PDVSA está se esgotando. De acordo com analistas, o governo do presidente Hugo Chávez está negligenciando os investimentos nos negócios principais da empresa e usando a receita para gastos sociais e outros negócios, como a distribuição de alimentos pela PDVAL. O lucro líquido da PDVSA caiu 52,2% em 2009, chegando a US$ 4,49 bilhões, diante dos US$ 9,4 bilhões de 2008.

No dia seguinte, foi divulgado que o governo de São Paulo publicou decreto para a criação do Programa Paulista de Petróleo e Gás Natural, com o objetivo de preparar o estado para os impactos provenientes da exploração do pré-sal. Dentre as principais estratégias do programa estão: ampliar a formação e a preparação da mão de obra estadual em todos os níveis, com destaque para o litoral paulista; atrair novas empresas e investidores em petróleo e gás natural (construção naval e montagens, cadeia de fornecedores de bens e prestadores de serviços) e qualificar e apoiar as empresas estabelecidas no Estado.

Ainda na quarta-feira, dia 11, a BP voltou às manchetes após conseguir selar o poço no Golfo do México. Desta vez, a companhia anunciou que fez o prmeiro depósito no fundo de compensação às vítimas do derramamento de petróleo nos EUA. A primeira contribuição, de US$ 3 bilhões, é metade do valor que a empres revela já ter gasto para combater o desastre ambiental através de esforços para tentar conter o fluxo do óleo, limpá-lo, perfurar um segundo poço e injetar cimento no primeiro. Além disso, há também o custo das indenizações ao governo federal, aos estados americanos afetados pela catástrofe e a pessoas e empresas prejudicadas.

OGX identifica hidrocarbonetos

Fechando a semana do setor, na última quinta-feira, dia 12, a OGX, braço de petróleo do grupo do empresário Eike Batista, anunciou a descoberta de hidrocarbonetos no poço OGX-18-RJS, no bloco BM-C-40, águas rasas da Bacia de Campos, do qual detém 100% de participação. "O resultado reforça a atratividade da região mais ao norte da bacia de Campos, que pode representar uma nova província de grande importância para a nossa companhia", comentou Paulo Mendonça, Diretor Geral da companhia. Segundo comunicado disparado à imprensa, o poço se localiza a dois quilômetros do OGX-14, no prospecto Peró.

Por Matheus Franco
matheus.f@nicomexnotícias.com.br

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir