Consumo total de gás cresce 31,7% em 12 meses, diz Abegás

SÃO PAULO - O despacho das térmicas para poupar os reservatórios das hidrelétricas está impulsionando o consumo de gás natural no Brasil. Segundo os dados da Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás), a demanda total pelo insumo em julho deste ano frente à igual mês de 2009 cresceu 31,7%, para 48,67 milhões de metros cúbicos por dia (m³/d).

Na comparação com junho de 2010, houve uma ligeira queda de 2,08%. Excluída a venda de gás para geração elétrica, as distribuidoras apuraram alta de 9,6% no consumo no mercado não térmico (residências, comércio, indústrias, automotivo, entre outros) na comparação entre julho de 2009 e igual mês de 2010, para 37,74 milhões de m³/d.

Os dados de julho da Abegás consolidam a recuperação no mercado brasileiro, cuja demanda por gás está próxima dos volumes verificados no período pré-crise, em 2008, da ordem de 50 milhões de m³/d. Embora grande parte desse crescimento seja em razão do maior despacho das térmicas. De acordo com as informações, o consumo de gás pelas termelétricas saltou 432,37% entre julho de 2009 e igual mês de 2010, passando de 2,52 milhões de m³/d para 10,92 milhões de m³/d. A tendência é que esse volume cresça ao longo dos próximos meses, uma vez que o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) intensificou o despacho das térmicas a gás para reforçar a segurança do sistema.

Adicionalmente, as informações apuradas pelas concessionárias também demonstram que o crescimento da atividade econômica tem influenciado positivamente a demanda pelo insumo. Prova disso é que as vendas de gás para o segmento industrial cresceram 13,23% no período, para 27,06 milhões de m³/d. O segmento de cogeração (que também inclui algumas indústrias) apresentou alta de 8,5% no consumo de gás natural, alcançando 3,05 milhões de m³/d.

As concessionárias de gás também registram crescimento nos mercados de pequeno volume. No segmento residencial, o consumo aumentou 9,7% no período, para 952,8 mil de m³/d. Na classe comercial, as vendas expandiram 5,9%, para 647,5 mil m³/d. Ponto negativo nesse intervalo de comparação foi a nova queda na demanda de gás natural veicular (GNV). No período, as vendas recuaram 4,66%, para 5,30 milhões de m³/d, refletindo a menor competitividade do GNV frente ao etanol.

Segundo o Ministério de Minas e Energia (MME), com base em dados da Abegás, a Comgás (SP) segue na liderança do ranking das distribuidoras estaduais de gás canalizado, com vendas totais de 13,09 milhões de m³/d. Em segundo lugar está a CEG (RJ), que comercializou 7,91 milhões de m³/d em julho de 2010. Em seguida vem a CEG-Rio (RJ), com 5,91 milhões de m³/d, a Bahiagás, com 3,96 milhões de m³/d, e a Copergás (PE), com 3,12 milhões de m³/d.

Hoje, o MME também divulgou o seu boletim com dados sobre o mercado de gás brasileiro em julho deste ano. O ministério oferece também dados sobre oferta. Segundo boletim, a oferta total líquida de gás natural foi de 61,98 milhões dem³/d, sendo 28,02 milhões de m³/d de gás nacional e 33,96 milhões de m³/d - do volume importado, 28,4 milhões de m³/d vieram da Bolívia e 6,53 milhões de m³/d foram comprados via gás natural liquefeito (GNL).

O MME ainda informou que o preço vigente do gás boliviano é de US$ 7,49/MMBTU no Sul e no Sudeste, e de US$ 8,49/MMBTU no Centro-Oeste. Em julho, o valor do gás nacional era de US$ 10,2630/MMBTU no Nordeste e de US$ 9,9830/MMBTU no Sul - os preços do insumo nacional foram alterados em agosto passado pela Petrobrás.


Fonte: Agência Estado /Wellington Bahnemann

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir