QUEIMA DE GÁS VEM DIMINUINDO NO BRASIL

O gás natural foi um dos temas mais discutidos na 15ª edição da Rio Oil & Gas, realizada entre os dias 13 e 16, no Rio de Janeiro. Entre os debates, a questão da queima de gás foi ressaltada, principalmente por ocasião da apresentação dos dados de produção de petróleo de agosto, divulgados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), também na feira. Segundo a agência, no mês passado, o país queimou 10% de sua produção total – de 62,5 milhões de metros cúbicos.

De acordo com a avaliação da própria ANP, essa é um valor alto, uma vez que o órgão autoriza, em via de regra, 3% de queima, com mais 2% de margem, estudada caso a caso, salvo exceções em qua a agência valida pedidos de quema mais elevados. Como meta, a ANP trabalha para chegar a 95% de aproveitamento do gás no Brasil e avalia os números coletados como uma evolução. Dessa maneira também pensa Sylvie D’Apote, Sócia-diretora da Gas Energy, empresa de consultoria e assessoria nas áreas de petróleo, gás, energia, química e petroquímica.

“A queima no Brasil vem diminuindo ano após ano. Em relação ao que foi queimado até julho de 2010, comparado ao mesmo periodo de 2009, a queima reduziu 34%. No ano passado havia uma queima muito alta”, analisa Sylvie, contrapondo o valor de 10% de queima apresentado pela ANP, em agosto desse ano. Entrando no mérito da Petrobras, maior produtora de gás associado, que representa 80% do que o Brasil produz, a executiva ressalta que em 2009 houve uma queda drástica na demanda, que explicava a queima da estatal, definida como técnica.

A justificativa da Petrobras era de que muitos campos estavam queimando gás devido à realização de testes, o que eleva o percentual de descarte do recursco. “Há analistas, inclusive nós (da Gas Energy), que defendíamos que essa queima técnica estava muito além do que se pode fazer. Mas como a ANP não divulga os dados de queima por campo, mas por estado, a Petrobras pode contar qualquer historinha, porque, na verdade, não se sabe quanto foi queima técnica e quanto foi a quantidade que ela não conseguiu escoar por falta de mercado”, afirma Sylvie, antes de observar, porém, que a estatal vem diminuindo a queima, mas que os objetivos são diferentes por bacia.

Queimar o gás não é o objetivo

Na Bacia de Campos, por exemplo, onde há a maioria dos campos mais antigos e uma produção muito alta de gás associado, é permitida uma queima um pouco mais elevada. Mas há campos pequenos, não conectados, sem infraestrutura de escoamento. Nesse caso, há três caminhos: usar o gás nas plataformas para gerar energia, reinjetar no poço para ajudar na produção ou queimar. “Nenhum produtor, seja empresa pública ou privada, inclusive a Petrobras, não gosta de queimar, prefere vender o gás. Mas o Brasil produz 80% do gás associado ao óleo, ou seja, quem decide é a produção de petróleo. O gás acaba sendo um subproduto, valioso, mas também fonte de problemas, porque como a produção é offshore nem sempre há dutos disponíveis”, explica a executiva da Gas Energy.

Por Matheus Franco
matheus.f@nicomexnoticias.com.br

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir