Cai fatia de estrangeiro na Petrobras

Os números finais da capitalização da Petrobras comprovam o que se dizia no mercado quando a alocação da oferta estava sendo feita, no fim do mês passado. O aumento da participação do governo no capital da companhia se deveu principalmente à diluição do investidor estrangeiro, embora o minoritário local também tenha perdido espaço. A estatal publicou ontem o anúncio de encerramento da oferta, bem antes do limite máximo, que era março de 2011.

Enquanto a União como um todo ampliou sua fatia no capital total de 39,8% para 48,3%, a parcela detida pelos estrangeiros no total de ações recuou de 37,4% para 31,8%, o que representa uma queda de 15,0%.

Entre os motivos para essa diluição está o fato de que o investidor externo ficou praticamente fora da oferta prioritária, destinada aos antigos acionistas, que somou R$ 84,94 bilhões. Para entrar nessa operação, os estrangeiros tinham que converter os recibos de ações (ADRs) nos papéis que os lastreiam no mercado local, e trazer os recursos para comprar mais ações. Porém, o custo embutido nessa operação, com destaque para o pagamento de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), se aproximava de quase 4%, o que tirava atratividade da operação.

Outra avaliação do mercado é que a presença não tão forte do estrangeiro se explica pelo seu próprio posicionamento negativo em relação ao papel durante todo o processo de capitalização. Entre dezembro de 2009 e agosto de 2010, os investidores externos já tinham reduzido a fatia no capital total de 38,8% para 37,4%.

Assim, segundo um gestor de fundos que preferiu não ser identificado, ainda que as críticas dos estrangeiros em relação a operação possam ser entendidas, dada a maneira como a operação foi estruturada, com o governo entrando com barris e os minoritários com dinheiro, a diluição acabou sendo uma consequência do próprio posicionamento deles.

O fato é que a conclusão bem-sucedida da oferta, em conjunto com o aumento do peso das ações da Petrobras em índices importantes para os estrangeiros, como o MSCI, obrigou muitos gestores a comprar os papéis no mercado na última semana.

No pregão de ontem, os papéis da estatal tiveram leve baixa, com a ação ordinária, que dá direito a voto, cotada a R$ 30,56 e o papel preferencial, sem voto, encerrando a R$ 27,38. Quem comprou os papéis na oferta acumula um ganho de 3,07% com a ON e de 4,11% com a preferencial.

Sem contar os motivos técnicos para justificar a procura pelos papéis da Petrobras mesmo após a emissão de 4,27 bilhões de ações, os especialistas citam ainda negócios ligados ao mercado de petróleo e gás no Brasil.

Na visão de analistas, o preço acertado na venda de parte do capital da Repsol para a chinesa Sinopec seria uma indício de que o valor pago pela Petrobras pelos 5 bilhões de barris não seria tão caro como parecia. Nas próximas semanas, há a expectativa de que a OGX feche a venda de parte dos direitos de exploração de barris de seus campos a outra empresa.

Voltando aos dados de ontem da Petrobras, a participação dos investidores brasileiros de forma agregada, incluindo institucionais locais, pequenos aplicadores e investidores que detêm ações indiretamente via fundos do FGTS, caiu de 22,8% para 19,9% do capital total. A redução foi de 12,7%.

Do total de R$ 120,25 bilhões da oferta, a União comprou cerca de R$ 80 bilhões, o que equivale a 66,5% do total vendido. Os investidores estrangeiros investiram R$ 17,22 bilhões na compra de recibos de ações (ADRs) diretamente no exterior e mais R$ 6,89 bilhões na oferta brasileira, totalizando R$ 24,11 bilhões.

E esse volume só foi atingido porque 75% do lote suplementar, de R$ 5,20 bilhões, foi comprados por investidores externos.

Dentro dos R$ 17,22 bilhões da oferta em ADRs, R$ 2,47 bilhões referem-se a pequenos investidores que entraram na oferta nos EUA.

Olhando para a demanda brasileira, o pequeno investidor aplicou R$ 3,37 bilhões na oferta, sendo R$ 1,67 bilhão na parcela prioritária e R$ 1,70 bilhão na distribuição aberta ao publico.

Os fundos de investimento brasileiros como um todo aportaram R$ 7,25 bilhões na capitalização da estatal. Somando-se a isso, os fundos de pensão e outras entidades de previdência privada aplicaram R$ 4,53 bilhões.

Fonte: Valor Econômico/Fernando Torres e Graziella Valenti | De São Paulo

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir