Eco Oil: Consequências do derramamento de óleo em marismas

O impacto do óleo nas marismas varia em função de vários fatores incluindo a quantidade de óleo, tipo e eficiência da atividade de limpeza, tipo de óleo, estrutura física e biológica da marisma, latitude, e estação do ano. A persistência do dano e recuperação do sistema também depende de fatores bióticos, químicos e físicos, incluindo taxa de intemperismo e grau de remoção ou retenção do óleo, disponibilidade de sementes, processos sucessional, de erosão/deposição, e atividade de restauração pelo homem.

As plantas podem ser afetadas de várias formas. A asfixia química pelo óleo pode levar a uma redução da transpiração, respiração e fotossíntese. A absorção da fração tóxica do óleo através de folhas ou raízes pode causar envenenamento das plantas pela ruptura das membranas celulares e organelas celulares.

Existe uma variação considerável com relação à sensibilidade ao óleo. Algumas espécies são resistentes a ele (ex: Oenantle lachenalii), enquanto que outras são muito menos resistentes (ex: Salicornia sp.).

Mudanças sazonais nas marismas podem afetar, consideravelmente, o efeito do óleo nesse ecossistema. Um derrame de óleo antes ou durante a floração pode causar uma redução na floração e produção de sementes.

Em alguns casos, o maior problema seguido ao dano do óleo na vegetação foi a perda da estabilização do sedimento por erosão.

As marismas variam consideravelmente em sua forma e função com relação a latitude, salinidade e altura da maré, sendo que os efeitos do óleo variam do mesmo modo. De particular importância são a altura da maré e salinidade, que podem limitar a distribuição de qualquer espécie.

As marismas, assim como os manguezais, estão nos níveis mais altos da escala de vulnerabilidade a derrames de óleo dos habitats da zona de entremarés. As marismas, em termos gerais, são consideradas como habitats altamente susceptíveis ao dano por óleo , requerendo proteção onde for possível, cuidados durante a limpeza e, em alguns casos, restauração.

Tal como os manguezais, as marismas são também altamente sensíveis ao pisoteio, que pode levar à redução da quantidade de tecido fotossintético, expondo o interior das plantas às frações tóxicas do óleo e/ou enterrando caules e folhas de plantas, reduzindo a sua produtividade. A quebra de plantas resulta em estresse e alterações no crescimento e expõe o interior das plantas a frações tóxicas do óleo. Além disso, o pisoteio também pode acelerar os processos erosivos.

Fonte: Eco Oil, Por: Leonardo Dias

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir