Limpeza de ambientes costeiros contaminados por petróleo

Existem muitas formas de limpar o ambiente contaminado por óleo, e a escolha da técnica mais adequada é crucial para a minimização dos impactos ambientais decorrentes. Paradoxalmente, os procedimentos de limpeza empregados têm sido definidos levando-se em conta, principalmente, a demanda sócio-econômica e aspectos estéticos; aspectos ecológicos muitas vezes são colocados em segundo plano, o que termina por gerar impactos adicionais e muitas vezes mais sérios do que os do próprio derrame de petróleo. No Brasil, os métodos empregados freqüentemente têm priorizado a recuperação estética de ambientes afetados, com a utilização de procedimentos danosos à comunidade biológica.


Para a redução ou minimização dos danos ambientais causados pelos derramamentos de óleo, diversos métodos de limpeza são utilizados internacionalmente. A opção pelo método a ser empregado vincula-se fortemente ao tipo de ecossistema impactado, levando-se em conta suas características e sensibilidade. Envolve também o tipo de óleo derramado e fatores técnicos, tais como acesso e tipo de equipamento passível de ser utilizado, além do custo da operação. Frisa-se que uma má escolha do método de limpeza pode maximizar os danos ambientais.

Qualquer método de limpeza deve ser aplicado após o óleo ter sido, pelo menos em grande parte, retirado das águas próximas aos locais atingidos. De outra forma, ambientes recém limpos podem vir a ser novamente contaminados, implicando na necessidade de re-limpeza e acarretando mais danos à comunidade já perturbada pelo óleo e operações antrópicas.

As opções mais freqüentemente utilizadas na limpeza dos ambientes costeiros são: limpeza natural, remoção manual, uso de materiais absorventes, bombeamento a vácuo, “skimmers” (equipamento desenvolvido para remover o óleo da superfície da água, utilizando discos giratórios e cordas absorventes), jateamento com água a diferentes pressões, jateamento com areia, corte de vegetação, queima in situ, trincheiras, remoção de sedimentos, biorremediação e produtos dispersantes.

Limpeza de Manguezais

Entre os ecossistemas costeiros, o manguezal é classificado como dos mais sensíveis e vulneráveis a vazamentos de óleo. O óleo pode persistir neste ecossistema por anos e, neste caso, as técnicas que permitam limpar ou remover o petróleo são limitadas.

Nas áreas onde o acesso é possível, o American Petroleum Institute recomenda o uso de jateamento a baixa pressão, seguido de recuperação do óleo com o auxílio de barreiras, skimmers ou esteiras recolhedoras de óleo. Segundo o instituto, essa atividade deve ser realizada com auxílio de barcos, usando-se água do mar à temperatura ambiente. Também recomenda, no jateamento, misturar dispersante com água, o que favorece a remoção.

O jateamento a baixa pressão com água do mar pode ser eficiente para remover grandes quantidades de óleo da vegetação quando a cobertura vegetal é relativamente estável e contínua. Entretanto, pode trazer desvantagens, tais como o pisoteio do substrato necessário para o manuseio do equipamento, a contaminação de áreas adjacentes pelo óleo jateado que não for recolhido, a maior penetração do óleo no sedimento, além de não remover o óleo totalmente. Além disso, pode causar remoção de plântulas e produzir mais impactos na flora e fauna associada. Já o jateamento a alta pressão pode causar erosão, além de maximizar os danos ao ecossistema.

A decisão pelo uso de dispersantes é muito difícil. Vários dispersantes testados nas mesmas condições (tempo de exposição e concentração) podem apresentar efeitos muitas vezes mais tóxicos às espécies de mangue do que apenas a presença de óleo. Em um evento onde foi aplicado dispersante no manguezal depois que o óleo alcançou as raízes, a vegetação acabou morrendo de qualquer modo. Isto mostra que a sua aplicação deve ser realizada antes que o óleo alcance esse ecossistema, desde que atendidas todas as exigências legais, ambientais e com a concordância dos órgãos ambientais. Além disso, existem casos em que a aplicação do dispersante não alterou o efeito do óleo e, em outros, reduziu consideravelmente o seu efeito. Há, de qualquer forma, a necessidade de se realizar experimentos para testar a toxicidade e eficiência dos diferentes dispersantes disponíveis no Brasil quando misturados com os vários tipos de óleo que são transportados na nossa costa. No entanto, no Brasil, não é permitido o uso de dispersantes em ambientes costeiros abrigados e sensíveis, como é o caso dos manguezais.

Quanto ao uso de bombeamento a vácuo, o uso de esteiras recolhedoras, skimmers e recolhimento manual, tais ações são recomendadas somente em áreas adjacentes ao manguezal, pois podem causar danos mecânicos, remoção de organismos e revolvimento do substrato.

A aplicação de absorventes requer algumas ponderações importantes:

•Os absorventes devem ser totalmente recuperáveis;
•O grupo de limpeza deve ser treinado para o uso desse material (do contrário corre-se o risco de haver misturado à camada superficial de sedimento no decorrer da recuperação);
•Absorventes podem ser utilizados nos canais hídricos que cortam o manguezal, não sendo sua aplicação recomendada para o interior do bosque em razão do efeito do pisoteio e posterior dificuldade de recolhimento do absorvente utilizado.

A técnica de biorremediação é ainda pouco estudada com relação a manguezais impactados por óleo, apresentando algumas limitações. É, todavia, uma técnica em potencial para tratamentos de longo prazo. Como a biorremediação é feita com a adição de fertilizantes (bioestimulação) e a adição de microrganismos (bioadição), não é recomendada para manguezais eutrofizados, pois, na maioria das vezes os nutrientes não são limitantes. Além disso, é muito provável que já exista uma comunidade de bactérias degradadoras de hidrocarbonetos. As condições limitantes para a biorremediação em manguezais são: baixos níveis de oxigênio molecular, eventual baixa concentração de nutrientes e competição.

As raízes dos mangues e pneumatóforos se mostraram especialmente vulneráveis ao pisoteio, bem como as plântulas de mangues; a quebra de estruturas das plantas resulta em estresse e alterações no crescimento. Outro aspecto importante é que o óleo pode atingir as camadas mais profundas em função do tráfego de pessoas. O óleo residual ao penetrar nos sedimentos anaeróbios pode persistir por anos, afetando as raízes das plantas e animais que vivem entocados nas camadas mais inferiores.

Considerando-se as vantagens e desvantagens dos diferentes métodos, pode-se concluir que para os manguezais a melhor opção é a limpeza natural. Deve-se evitar, totalmente, o pisoteio nas áreas de manguezal contaminadas. Recomenda-se o uso de esteiras recolhedoras e skimmers e bombeamento a vácuo para retirar o óleo das águas próximas ao manguezal e de absorventes nas margens, com posterior recolhimento, como tentativa de diminuir a entrada de óleo no ecossistema.

Limpeza de Marismas

Marismas, como os manguezais, estão no nível mais alto da escala de sensibilidade e vulnerabilidade a derrames de óleo. A persistência do dano e a recuperação do sistema também dependem de fatores como grau de intemperismo e grau de remoção ou retenção do óleo, época do ano, disponibilidade de sementes, processo sucessional, erosão/deposição e atividade de restauração pelo homem.

Consideram que marismas sob leve contaminação de óleo devem ser deixadas sob recuperação natural, havendo a necessidade de se avaliar processos e as taxas de remoção natural. As acumulações de óleo devem ser removidas por bombeamento a vácuo, absorventes ou por lavagem a baixa pressão. Deve-se tomar cuidado para não contaminar outros locais com o óleo removido, para não danificar a vegetação e para não contribuir para a mistura de óleo no sedimento. Algumas instituições defendem que métodos de limpeza mais agressivos só devem ser considerados quando outros recursos biológicos (aves migratórias; espécies ameaçadas) estão correndo risco de contaminação pelo óleo impregnado na vegetação.

Técnicas como jateamento trazem as seguintes desvantagens quando aplicadas às marismas: remoção incompleta do óleo; pisoteio das plantas e substrato; contaminação de áreas adjacentes pelo óleo removido pelo jateamento, caso este não seja recolhido; danos aos organismos associados. O jateamento a alta pressão, como é muito agressivo, pode causar erosão, modificações no substrato, prejuízo físico para as plantas e fazer com que o óleo penetre ainda mais no sedimento; portanto este não é, conseqüentemente, um procedimento recomendado.

O uso de absorventes também pode trazer alguns problemas se esses materiais não forem totalmente recuperados. O material que não for recolhido permanece no sedimento, consistindo numa fonte potencial de contaminação e um risco para os animais desse ecossistema. Pode também bloquear a luz que atingiria uma porção considerável das marismas e, conseqüentemente, reduzir a sua produtividade. Além disso, o pisoteio envolvido no processo de recolhimento do material absorvente pode introduzir ainda mais o óleo no substrato.

O bombeamento a vácuo, assim como o uso de barreiras, esteiras recolhedoras e skimmers e o recolhimento manual são as ações mais indicadas nas áreas adjacentes às marismas, a fim de se evitar a entrada do óleo para o interior dos ecossistemas. No interior das marismas estes métodos podem causar danos mecânicos à vegetação, remoção de organismos vágeis e sésseis e revolvimento do sedimento.

Dispersantes químicos vêm sendo aplicados em marismas atingidas por derrames e em inúmeras situações de caráter experimental. Em muitos casos, eles têm causado danos adicionais aos provocados pelo óleo e, em alguns casos, podem aumentar a penetração do óleo no sedimento na zona entremarés. Em geral, o uso de dispersantes não é recomendado para marismas. No Brasil, não é permitido o uso de dispersantes em marismas e em outros ambientes costeiros abrigados.

O corte de plantas cobertas de óleo ao nível do sedimento é uma técnica de limpeza que acarreta destruição física direta dos tecidos das plantas. Isto reduz severamente a quantidade do tecido fotossintético, exceto para algumas espécies que perdem as folhas sazonalmente. Além disso, através do corte, o interior da planta fica mais exposto às substâncias tóxicas do óleo. Para a execução desta técnica, é necessário um grupo grande de pessoas, o que acarreta em um grande pisoteio e seus danos conseqüentes.

Os resultados obtidos com o corte são influenciados por diferentes fatores, tais como o tipo de óleo, a sazonalidade, possibilidade de recontaminação, estresse ambiental, perturbações físicas no substrato, grau do corte, taxa de remoção natural e tipo de marisma. O corte não deve ser feito quando as marismas forem contaminadas por óleos leves, ou quando a remoção natural for eficiente, ou quando a probabilidade de re-contaminação for alta ou, ainda, no sentido de estimular a recuperação da vegetação; o corte somente deve ser considerado para áreas onde o óleo persistir e quando impactos mais sérios estiverem ameaçando a biota. A sazonalidade é o primeiro fator a ser analisado, devido ao fato de que algumas plantas encontram-se dormentes no outono e inverno; neste caso os impactos causados pelo corte são menores. A salinidade e as condições hidrológicas para a aplicação da técnica também devem ser consideradas: condições anormais de salinidade e pluviosidade podem, em associação com o corte, causar maiores danos à vegetação e retardar o processo de recuperação.

Caso decidir-se pela aplicação do corte, devem-se evitar, ao máximo, perturbações no substrato; as equipes de limpeza devem ser compostas por 2 ou 3 pessoas. O corte feito durante a maré alta diminui os danos causados pelo pisoteio. É enfaticamente recomendado que sejam deixadas porções de vegetação não cortadas para posterior monitoramento e comparações, visando perceber o andamento da recuperação da vegetação.

A queima e corte na limpeza de marismas só devem ser feitas se o ambiente estiver severamente impactado por óleo, já que podem causar total destruição da comunidade bentônica residente. A queima é, às vezes, um método efetivo de remoção de óleo e da vegetação de marismas contaminadas sem os danos do pisoteio. Marismas de Spartina sp. podem resistir à queima ocasional, pois, durante o inverno, a porção aérea da planta seca e rebrota mais tarde. Neste período, a queima pode ser efetuada sem prejuízo, com um estímulo ao seu rebrotamento. Contudo, em qualquer outra estação a queima não é recomendada. É importante ressaltar que no Brasil não é permitida a queima de marismas ou qualquer vegetação nativa costeira.

A biorremediação em marismas ainda é uma técnica em estudo. Os resultados são bastante variáveis. Nos Estados Unidos, um experimento feito em marismas utilizando a bioestimulação demonstrou um aumento na degradação de alcanos e hidrocarbonetos poliaromáticos. Contudo, outro experimento concluiu que alguns fertilizantes não causaram aumento na degradação do óleo. Estudos sobre a aplicação deste método em marismas são ainda necessários.

Conclui-se, portanto, que para áreas adjacentes a marismas os métodos de limpeza mais indicados são a limpeza natural, o bombeamento a vácuo, o recolhimento manual, o uso de absorventes com posterior recolhimento, o uso de esteiras e de skimmers. Para o interior de marismas são mais indicados a limpeza natural e o corte controlado. A utilização destas técnicas deve ser feita com muita cautela e com planejamento prévio para que sejam evitados danos pelo pisoteio e tráfego de pessoas e equipamentos.

Limpeza de Praias

Os métodos para limpeza de praias são: absorção, remoção manual, bombeamento a vácuo, remoção mecânica, biodegradação induzida, dispersão química, queima, limpeza natural e jateamento.

A limpeza deve se concentrar em remover, manualmente, o óleo do médio e supralitoral; desta maneira, a quantidade de areia removida é menor, devendo ser mínima em praias de areia fina. Para praias mistas de areia e cascalho a limpeza natural, a remoção mecânica e manual do óleo são as mais indicadas. Para praias de cascalho, a limpeza acaba por remover grandes quantidades de sedimento podendo resultar em impactos adversos; portanto, a limpeza deve se concentrar na linha de maré alta através de remoção manual e mecânica. Deve-se evitar o tráfego de veículos e pessoas, de modo a impedir que o óleo se misture ainda mais ao sedimento. O jateamento a baixa pressão pode ser usado para direcionar e acumular o óleo a ser recolhido por skimmers e absorventes. O jateamento a alta pressão deve ser evitado, pois pode transportar material contaminado para outros locais, causar impacto mecânico na fauna, desalojar a fauna e remover sedimentos.

A limpeza natural é plausível para praias expostas onde a ação das ondas é suficiente para remover o óleo. Também é recomendada para praias abrigadas onde outros procedimentos podem causar danos adicionais ao ambiente. Quando a limpeza natural não é apropriada (e.g., área com fraca hidrodinâmica, biota ou recursos socioeconômicos importantes sob ameaça), outras opções podem ser consideradas: jateamento a baixa pressão para sedimentos firmes com baixa declividade; remoção manual e mecânica; absorventes; bombeamento a vácuo; biorremediação. Com relação ao ultimo método não há evidências conclusivas a respeito de suas vantagens.

No Brasil, os métodos empregados sempre visaram à recuperação estética das praias afetadas, e por isso, muitos procedimentos danosos à comunidade biológica têm sido utilizados. No litoral do Estado de São Paulo, os principais métodos vinham sendo o recolhimento manual com pás e enxadas, e uso de máquinas pesadas, causando a retirada de grande quantidade de areia das praias, especialmente da zona entremarés. Estes procedimentos acabavam por perturbar gravemente as comunidades biológicas, uma vez que a maioria
dos organismos habita os primeiros 10 - 15 cm do substrato, justamente a faixa retirada pela limpeza.

É comprovado que a ação das ondas e marés é extremamente eficiente no deslocamento do petróleo e na limpeza natural, devendo ser aproveitada ao máximo, durante os procedimentos. Também ficou claro que na zona entremarés deve-se evitar qualquer procedimento mecânico de limpeza, incluindo circulação de veículos e máquinas pesadas, uma vez que este segmento da praia é o mais rico e sensível biologicamente. O recolhimento manual do petróleo deve ser efetuado apenas no mediolitoral superior e supralitoral, retirando-se o mínimo de areia possível. É recomendado o uso de rodos de madeira para remover o óleo (pás e enxadas devem ser utilizadas apenas para retirar os montes de óleo agregados pelos rodos). Uma vez recolhida a maior parte do petróleo, o uso de absorventes é de grande eficiência na limpeza fina da praia. O produto deve ser espalhado na franja do infralitoral, sempre nas marés baixas. Após a preamar, o produto deve ser recolhido manualmente na franja do supralitoral, respeitando-se as faixas inferiores da praia. Todo o óleo recolhido deve ser retirado da praia preferencialmente em tambores ou “big bags” lacrados.

Muitos países usam dispersantes na limpeza de praia. Todavia, a biota pode ficar exposta aos efeitos tóxicos do produto e do óleo dispersado. O produto também não é recomendado para praias arenosas, lodosas e de cascalho. No Brasil a aplicação de dispersantes em praias é proibida pela legislação ambiental.

Com relação à biorremediação, testes feitos em praias mostraram que a adição de fertilizantes foi eficiente no aumento da taxa de biodegradação em locais que foram severamente atingidos por óleo. Em outros estudos, a adição de nutrientes não foi eficiente devido à lixiviação e lavagem dos sedimentos pelas ondas, marés e correntes. Estudos mais avançados são necessários, observando-se que a biorremediação só pode ser utilizada se estiver em concordância com a legislação ambiental Brasileira e for autorizada pelo órgão ambiental competente.

Pode-se concluir que para praias, procedimentos como recolhimento de óleo com máquinas, tráfego de veículos na zona entremarés, manipulação da zona entremarés inferior, retirada indiscriminada de areia e a aplicação de dispersantes na areia são contra-indicados. Métodos como recolhimento manual criterioso, bombeamento a vácuo, o uso de absorventes para fazer a limpeza mais fina e a limpeza natural, aproveitando a ação das ondas, são os mais indicados para praias. Há um conflito muito intenso com relação aos aspectos ecológicos e sociais, já que praias são muito importantes economicamente. As pressões para que o ambiente seja limpo a qualquer custo são muito fortes. Entretanto, é fundamental que a limpeza seja o menos impactante possível para que, com isso, o ecossistema se recupere mais rapidamente.

Limpeza de Costões Rochosos

Existem diversos métodos de limpeza para remediar a contaminação de costões rochosos atingidos por petróleo. Muitas das técnicas, entretanto, promovem um dano adicional à comunidade submetida ao processo de limpeza. Entre as técnicas mais utilizadas estão o jateamento, o bombeamento, a remoção manual, a lavagem com água corrente, o uso de absorventes e a limpeza natural.

O jateamento aplicado a costões pode ser extremamente impactante, dependendo da pressão utilizada. Fluxos hídricos a altas pressões podem causar a supressão de toda a comunidade biológica, gerando um lento processo de recuperação e agravando, ainda mais, os efeitos do impacto. Esta técnica pode ser utilizada, por razões estéticas, apenas acima da faixa habitada pelos organismos. O jateamento com areia também é contra-indicado, pois provoca os mesmos efeitos do jateamento a alta pressão. Ademais, este procedimento provoca o acúmulo de areia na base do corpo jateado, podendo causar o soterramento das populações presentes nestes locais. Em 2002 foi constatado que o uso de jateamento a alta pressão nestes ambientes causa modificações na comunidade, levando ao decréscimo da biodiversidade e abundância de espécies.

O jateamento a baixa pressão é uma técnica que também deve ser evitada, uma vez que o fluxo, ainda que mais suave, ocasiona desalojamento daquelas espécies com menor poder de adesão ao substrato e provoca a morte de indivíduos das espécies mais frágeis. Mesmo as cracas Chthamalus sp., que apresenta estrutura protetora, pode apresentar mortalidade significativa após receber tratamento de limpeza a baixa pressão.

A lavagem de costões atingidos com água corrente é uma técnica aconselhável, já que não promove danos adicionais. Tal técnica, contudo, deve ser utilizada imediatamente após os locais terem sido atingidos e deve estar associada a um método de recolhimento. Quando o óleo já está intemperizado e aderido ao substrato, a lavagem é ineficiente.

O bombeamento a vácuo e a remoção manual auxiliam na retirada de óleo de poças, fendas e depressões das rochas, além de não provocarem danos à comunidade biológica.

Absorventes agregam o óleo, o que facilita a sua posterior retirada do ambiente. Devem ser, todavia, aplicados apenas em poças e outros locais que concentram o produto. Sua utilização sobre a comunidade biológica não deve ocorrer, uma vez que a mistura óleo-absorvente forma uma camada impermeável podendo promover impactos físicos de recobrimento sobre os organismos.

A limpeza natural constitui um agente muito efetivo, em que a ação das ondas, correntes e marés retiram eficientemente o produto dos costões rochosos atingidos. Muitas vezes a não interferência em um local atingido, deixando-o à mercê da recuperação natural, é o melhor procedimento em termos ecológicos.

Para costões rochosos expostos, a limpeza natural é indicada. O alto hidrodinamismo retira rapidamente o óleo do ambiente através da ação das ondas. Além disso, o acesso a estes locais pode ser difícil e perigoso.

Nos costões abrigados, a limpeza natural é considerada menos eficiente. O fraco hidrodinamismo implica numa lenta e baixa taxa de remoção natural. Mesmo assim alguns autores são contra a intervenção para limpeza nestes ambientes, exceto quando há uma grande quantidade de óleo no local ou por razões estéticas significativas. Alguns autores indicam o jateamento a baixa pressão para estes ambientes, principalmente quando o óleo está fresco e líquido.

Há autores que defendem ações com jateamentos em costões situados em pontos turísticos e de acesso público. Recomendam que quando o jateamento a baixa pressão se torna ineficiente, deve-se aplicar o jateamento a alta pressão, eventualmente com água quente e o uso de agentes químicos. Deve-se deixar claro que apesar destes posicionamentos, estes procedimentos, mesmo que pareçam eficientes e viáveis, não são recomendados pelos órgãos ambientais brasileiros, pois causam impactos adicionais significativos como foi descrito anteriormente.

Conclui-se que os métodos de limpeza com maior eficiência e menor dano às comunidades biológicas de costões rochosos envolvem: o bombeamento a vácuo, o recolhimento manual, absorventes, a limpeza natural, lavagem com água corrente e o uso de esteiras e skimmers. Apesar disso, alguns autores, organizações e instituições recomendam métodos agressivos, demonstrando que o apelo estético e as pressões políticas e econômicas para que o ambiente seja limpo de imediato ainda imperam em algumas situações.

Recifes de Coral

São poucos os métodos apropriados para limpeza de recifes de corais contaminados, uma vez que tais ecossistemas são extremamente delicados e de acesso relativamente difícil. O bombeamento a vácuo é eficiente para retirar o óleo flutuante sobre os recifes, descontaminando o ambiente. Porém, o uso deste método deve ser realizado cuidadosamente, evitando a quebra das estruturas frágeis das colônias e sempre com o uso de embarcação. A utilização de absorventes orgânico-vegetais, como turfas, também é eficiente em auxiliar na retirada do óleo do ambiente, sendo, portanto uma técnica aplicável para descontaminar a coluna d’água sobre os recifes. Entretanto, em casos de contaminação de recifes em períodos de maré baixa, a utilização de absorventes deve ser evitada, uma vez que seu emprego pode agravar os impactos por promover o recobrimento físico dos organismos. Além disso, a remoção dos resíduos é dificultada devido à complexa estrutura das colônias e à dificuldade de se proceder a coleta manual. Esta é viável e eficiente para poças, fendas ou outras estruturas que retenham o produto. Deve, no entanto, ser utilizado com extremo cuidado para evitar danos físicos potenciais como pisoteio sobre os organismos, desalojamento e quebra das colônias.

A aplicação do método de lavagem com água corrente em recifes de coral expostos durante a baixamar é impactante: pode causar distúrbios, como a remoção de organismos, alteração de microhábitats e danos mecânicos em indivíduos de espécies extremamente frágeis. Ainda que feita com água do mar, a lavagem dos recifes, sempre que possível, deve ser evitada.

O uso de dispersantes em recifes de coral pode ser um método atrativo quando algum outro ecossistema sensível próximo está sendo ameaçado pelo óleo (um manguezal ou um santuário de aves). Contudo, uma simulação feita no Panamá - em que foi aplicado dispersante numa área de coral para proteger um manguezal da contaminação por óleo cru - mostrou que o óleo quimicamente dispersado causou declínio na abundância e no crescimento de corais e outros organismos associados. Um outro trabalho que testou efeitos de cinco tipos de dispersantes de terceira geração, aplicados em diferentes concentrações, em larvas de uma espécie de coral pôde constatar o aumento da toxicidade da mistura óleo-dispersante, mortalidade, redução de taxas de estabelecimento e deformações morfológicas e comportamentais. Portanto, devido ao pouco conhecimento relacionado à utilização desta técnica, principalmente no que se refere à toxicidade e eficiência dos produtos mais recentes, e também levando em consideração a sensibilidade intrínseca dos organismos de recifes, esta técnica deve ser evitada. No Brasil, a legislação ambiental não permite o uso de dispersantes em recifes de coral.

Para os recifes de coral, a limpeza natural é o método preferencial a ser escolhido. Este método não promove riscos adicionais às comunidades, podendo ser bastante eficiente, principalmente em ambientes de elevado hidrodinamismo. Em recifes de locais abrigados, o bombeamento a vácuo, e em alguns casos, a lavagem com água corrente, pode ser aplicado em conjunto com a limpeza natural. Absorventes também podem ser utilizados na coluna d’água durante a preamar, utilizando-se de embarcações, com posterior recolhimento.

Conclui-se que em recifes de coral a limpeza deve ser realizada com extremo cuidado, devido à alta sensibilidade deste ecossistema. Os métodos de limpeza mais indicados incluem o bombeamento a vácuo, absorventes e esteiras recolhedoras para retirar o óleo flutuante, recolhimento manual com cautela e limpeza natural.


Fonte: Eco Oil, Por: Leonardo Dias

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir