Pré-sal atrai novas tecnologias e peças para o mercado local

SANTOS - O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, acredita que o Brasil se tornará pioneiro no desenvolvimento de plataformas "inéditas". Com a inauguração do polo naval do Rio Grande (RS), a indústria naval brasileira iniciará a produção de oito plataformas em série, padronizadas. "Quase todas as plataformas em produção do mundo são feitas a partir da reforma de navios. Nós faremos diferente, vamos mostrar que podemos fazer mais e melhor", destacou o executivo, durante a cerimônia de inauguração do polo naval.

O projeto inicial em Rio Grande será a P-55, que, segundo Gabrielli, será a "primeira unidade construída no pré-sal brasileiro". As obras da plataforma foram iniciadas em terra e serão concluídas no dique seco que compõe o polo naval. Além de receber o primeiro dique seco brasileiro capaz de produzir plataformas em serie, com 350 metros de comprimento e 130 metros de largura, o complexo gaúcho ainda recebe bilhões de reais de investimentos privados associados ao projeto, disse Gabrielli. "Já temos estaleiros funcionando aqui e empresas se instalando para construir as peças que necessitamos [para outros projetos]".

O executivo também destacou que as plataformas construídas na região representarão a integração do País. Isso porque o deck box da primeira plataforma, cuja montagem já está em andamento em Rio Grande, será integrado ao casco inferior, que está sendo construído em Pernambuco. A Petrobras tem o direito de uso exclusivo do polo por dez anos, através de contrato de locação.

As obras do polo naval foram iniciadas em agosto de 2006 e preveem a construção de oito cascos para plataformas do tipo FPSO, a partir do primeiro semestre de 2011. O local é composto de uma área de 430 mil m² para construção e reparos de unidades marítimas para a indústria do petróleo, tais como plataformas flutuantes de perfuração, de produção e de apoio. Segundo a Petrobras, o dique seco construído pela WTorre permite a construção simultânea de dois navios petroleiros ou duas plataformas.

Tubos
A exploração da megarreserva do pré-sal e a necessidade de nacionalização de equipamentos a serem fornecidos à Petrobras, operadora única desse petróleo, que deve ficar em 65% no mínimo por lei, têm levado as empresas que atendem a petrolífera estatal a se adequar. Uma delas é a francesa Vallourec & Mannesman Tubes (V&M), que fabrica tubos de aço sem costura, produtos utilizados na exploração submarina e nas demais fases da indústria de petróleo e gás.

A empresa prevê até 2011 oferecer ao mercado novos acessórios tubulares classificados por ela de Premium. Esses produtos, segundo a V&M, são utilizados para a completação de poços, tanto em terra como no mar. Além disso, a empresa apresentou ao mercado tubos de perfuração que serão produzidos no Brasil a partir do final deste ano. Segundo o gerente de Vendas, Renato Rennó, outro fator que ajudou a trazer novas soluções para o Brasil foi a maior facilidade logística para atender tanto a estatal quanto as demais empresas do setor. Além da exploração upstream de petróleo, o downstream (que refere-se às refinarias) está trazendo boas perspectivas de crescimento no setor de tubulações.

A Imefer, empresa de São Paulo, está de mudança para um espaço quatro vezes maior na cidade de Guarulhos (região metropolitana de São Paulo). Este é um dos movimentos da companhia, que distribui tubos carbono da V&M e da Confab Tenaris, para atender a demanda originada pela construção das refinarias Abreu e Lima (PE), do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), e das Refinarias Premium no Maranhão e no Ceará.

De acordo com o gerente de Vendas da empresa, Thércio Molinari, com esses projetos no horizonte, o futuro fica muito promissor para o setor. Essas centrais possuem uma alta demanda para a interligação de unidades de refino das refinarias e também de plataformas, mas estas em menor escala. Com isso, as perspectivas de aumento de faturamento da companhia para este ano são de cerca de R$ 200 milhões. Se essa previsão confirmar-se, representará um crescimento de 11% sobre o mesmo período de 2008, quando a empresa ainda não havia sentido a crise internacional. Se a previsão deste ano for comparada a 2009, esse aumento alcança quase 40%. O crescimento vigoroso traz a reboque os fornecedores de equipamentos que preparam os tubos para serem soldados. A Merax aposta em que o setor de petróleo e gás deverá representar quase metade de seu faturamento nos próximos anos.

Fonte: DCI/Maurício GodoiRita Gallo

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir