Próximo governo precisa fortalecer o pós-sal

Felipe Dana/Divulgação/EXAME

A implementação do marco regulatório do pré-sal vai ser um grande desafio da agenda de política energética do governo Dilma Rousseff, apontaram ontem (14) especialistas do setor, reunidos no seminário Uma Agenda Para a Política Energética Brasileira nos Próximos Quatro Anos. O evento é promovido pela Associação Brasileira de Estudos em Energia (AB3E) e Sociedade Brasileira de Planejamento Energético (SBPE).

Outra preocupação da agenda da política energética da nova gestão deve ser com o fortalecimento do pós-sal. O presidente da AB3E, Edmar de Almeida, disse à Agência Brasil que, nos últimos 2 anos, o país ficou muito centrado na discussão das novas regras do pré-sal e deixou de lado as demais áreas de exploração de petróleo. “A mensagem que surgiu [nos debates] é que o pré-sal não substitui o pós-sal”.

Daí a importância de que o governo retome rapidamente as licitações nas áreas de concessão que estão fora do pré-sal, para que as empresas possam reconstituir o portfólio de exploração e continuem tocando os projetos. Os pesquisadores do setor energético temem que essas áreas percam importância na agenda governamental.

Outro consenso é o de que a presidenta eleita Dilma Rousseff deve priorizar também os campos marginais de petróleo. Edmar de Almeida reconheceu que o governo já sinalizou de forma positiva para a necessidade de dar incentivos e reforçar o surgimento de pequenas empresas de petróleo brasileiras nesses campos marginais. “É importante que esse tema seja resgatado”.

Com relação ao uso de máquinas, componentes e tecnologias nacionais, Almeida disse que “as políticas que estão sendo pensadas até agora vão na boa direção para aumentar o conteúdo local e desenvolver a indústria de fornecedores". Mas ele acredita que as açãoes ainda são insuficientes. "Vai ser muito mais difícil do que as políticas que estão sendo implementadas sugerem”.

No campo dos biocombustíveis, o presidente da AB3E criticou o fato de a política brasileira de produção de etanol ainda estar voltada às tecnologias de primeira geração, enquanto Europa e Estados Unidos já desenvolvem tecnologias mais avançadas. “Nos últimos anos, os Estados Unidos passaram o Brasil na produção de biocombustíveis”.

Para que o Brasil não fique para trás, Almeida espera que o governo assuma que o Brasil é bom na produção de etanol, “mas essa vantagem competitiva não é eterna, não está 100% garantida. Por isso, é importante olhar para as novas tecnologias e atrair empresas que conhecem essas novas tecnologias de segunda geração”.

Outro problema a ser enfrentado na área dos bicombustíveis é que o etanol concorre com a gasolina, o gás natural veicular (GNV) e o óleo diesel. “É importante que haja uma orientação da política energética sobre a matriz de combustíveis que se espera no futuro, e não deixar isso apenas para uma disputa dos diferentes grupos de interesse”. Para ele, a decisão deve ser estratégica e tem de ser tomada de forma racional, para evitar que haja “canibalização” de um combustível em relação a outro.

Fonte: Portal Exame

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir