Uma indústria naval nasce no Mercosul

A exploração do petróleo brasileiro do pré-sal terá fortes reflexos na industrialização do Uruguai e da Argentina que, além de complementarem a indústria naval brasileira, que não terá condições de atender, sozinha, a demanda de navios de suporte e apoio, deverão, também, participar do fornecimento de peças e equipamentos que a indústria do petróleo e do gás e a própria construção naval precisarão para realizar seu desenvolvimento. A informação é do escritório Emerenciano, Baggio e Associados, cuja área de atendimento ao desenvolvimento de infraestrutura possui um segmento dedicado especificamente à indústria naval e já assumiu a representação de uruguaios e argentinos para formatar projetos no setor e, inclusive, captar investidores, nacionais e estrangeiros, para a construção de estaleiros e outras indústrias ligadas ao setor naval, automotivo, do petróleo e do gás. O escritório já representa o Cluster Naval de Montevidéu e a Associação Bonaerense da Indústria Naval, de Buenos Aires, e começa a elaborar projetos de estaleiros em Montevidéu e Buenos Aires.

As informações são do advogado Felipe Ferreira Silva, responsável pelo setor naval do escritório, o 6º maior do País em número de advogados (292) e funcionários (470), que já trabalham em busca de investimentos e soluções para as oportunidades industriais que serão criadas pela exploração do pré-sal, muitas das quais passam pelo Mercosul. Segundo Felipe, a exploração do pré-sal vai exigir, pelo menos, 229 navios de apoio, 49 plataformas marítimas e 28 sondas de perfuração, sem contar diferentes tipos de equipamentos e serviços, “e a indústria naval brasileira, por mais que cresça, não terá condições de atender tal demanda”. Como no Brasil faltam até áreas para novos estaleiros – um grupo britânico não achou espaço aqui e vai para o Uruguai – e novos portos, os países vizinhos serão a solução. O governo uruguaio criou o Cluster de Montevidéu, uma área de 90 hectares no porto da capital, onde será implantado um estalero. “Já há três investidores interessados”, disse Felipe, inclusive fundos árabes e asiáticos, que dispõem, pelo menos, de R$ 1 bilhão para investimento. A ABIN, de Buenos Aires, também autorizou o escritório a buscar investidores.

Está começando uma verdadeira articulação do desenvolvimento do Mercosul num setor específico, o da indústria naval. Segundo Felipe Ferreira Silva, o atual andamento é muito positivo e favorável, mas a concretização dependerá de muitos aspectos, inclusive jurídicos, pois Brasil, Uruguai e Argentina terão que formular um documento semelhante ao “acordo automotivo” que já existe entre os países para que as indústrias façam parcerias e trocas. Uma das primeiras mudanças será nas normas de “conteúdo local” que deixam aos estrangeiros só 20% de participação no produto final, passando-as para “conteúdo regional”, com aumento da percentagem de participação do Uruguai e da Argentina.

Fonte: Jornal do Commercio (RS)

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir