Nomenclatura dos Termos Náuticos


Embarcação e Navio: Embarcação (vessel) é uma construção feita de aço, ma-deira, plástico, ou da combinação desses e outros materiais, que flutua e é destinada a transportar pela água pessoas ou coisas, ou ainda, a extrair, armazenar e transportar produtos retirados das águas ou do solo submarino.

Barco (boat) tem o mesmo significado, mas usa-se para embarcações de menor porte, pilotadas por marítimo de nível médio. Navio, nau, nave, (ship) designam em geral, as embarcações de grande porte, comandadas por marítimo de nível superior.

Casco: (hull) É o corpo do navio sem mastreação, ou aparelhos acessórios, ou qualquer outro arranjo. A principal característica de sua forma é ter um plano de simetria (plano diametral) que passa pelo eixo da quilha. Da forma adequada do casco dependem as qualidades náuticas do navio: resistência mínima à propulsão, mobilidade e estabilidade.

Proa: (bow) É a parte anterior do navio no sentido de sua marcha normal. Tem a forma exterior adequada para mais facilmente fender o mar.

Popa: (stern) É a parte posterior do navio. Tem a forma exterior adequada para facilitar a passagem dos filetes líquidos que vão encher o vazio produzido pelo navio em seu movimento, a fim de tornar mais eficiente a ação do leme e do hélice.

Bordos: (board) São as duas partes simétricas em que o casco é dividido pelo plano diametral. Boreste (BE) é a parte à direita e bombordo (BB) é a parte à esquerda, supondo-se o observador situado no plano diametral e olhando para a proa. Em Portugal se diz estibordo, em vez de boreste. Em inglês: BE – Star-board; BB – Port.

Meia-nau: (midship) Parte do casco compreendida entre a proa e a popa.

Bico de proa, roda de proa, talhamar (stem): Parte externa da proa de um navio.

A vante e a ré: Diz-se que qualquer coisa é de vante (forward, ahead) ou está a vante (AV), quando está na proa, e que é de ré (aft) ou está a ré (AR), quando está na popa. Se um objeto está mais para a proa que outro, diz-se por ante-a-vante dele; se estiver mais para a popa, diz-se por ante-a-ré.

Obras vivas e carena: Parte do casco abaixo do plano de flutuação em plena carga, isto é, a parte que fica total ou quase totalmente imersa. Carena é um termo empregado muitas vezes em lugar de obras “vivas” (parte que atingida e destruída, pode “matar” o navio), mas significa com mais propriedade o invólucro do casco nas obras vivas.

Obras mortas: Parte do casco que fica acima do plano de flutuação em plena carga e que está sempre emersa.

Costado: Invólucro do casco acima da linha d’água. Em arquitetura naval, durante a construção do navio, quando ainda não está traçada a linha d’água, costado é o revestimento do casco acima do bojo.

Bojo: Parte da carena, formada pelo contorno de transição entre a sua parte quase horizontal, ou fundo do navio, e sua parte quase vertical.

Fundo do navio: Parte inferior do casco, desde a quilha até o bojo.

Forro exterior: Revestimento exterior do casco de um navio, no costado e na carena, constituído por chapas ou tabuas.

Forro interior do fundo: Revestimento interior do fundo do navio, constituindo o teto do duplo-fundo.

Bochechas: Partes curvas do costado de um e de outro bordo, junto à roda de proa.

Amura: O mesmo que bochecha. Amura é também uma direção qualquer entre a proa e o través (direção normal ao plano longitudinal do navio).

Borda: É o limite superior do costado, que pode terminar no na altura do convés (se recebe balaustrada) ou elevar-se um pouco mais, constituindo a borda-falsa.

Borda-falsa: Parapeito do navio no convés, de chapas mais leves que as outras chapas do costado. Tem por fim proteger o pessoal e o material que estiverem no convés, evitando que caiam ao mar. Na borda-falsa há sempre saídas d’água retangulares cujas portinholas se abrem somente de dentro para fora a fim de permitir a saída das grandes massas d’água que podem cair no convés em mar grosso.

Alhetas: Partes curvas do costado, de um ou de outro bordo junto à popa.

Painel de popa ou painel: Parte do costado do navio na popa, entre as alhetas.

Resbordo: A primeira fiada de chapas (ou de tábuas, nos navios de madeira) do forro exterior do fundo, de um e de outro lado da quilha.

Costura: Interstício entre duas chapas ou entre duas tábuas contíguas de um chapeamento ou de um tabuado, respectivamente.

Superestrutura: Construção feita sobre o convés principal, estendendo-se ou não de um a outro bordo e cuja cobertura é, em geral, ainda um convés.

Castelo de Proa, ou castelo: Superestrutura na parte extrema da proa, acompanhada de elevação da borda.

Tombadilho: Superestrutura na parte extrema da popa, acompanhada de elevação da borda.

Superestrutura central: Superestrutura a meia-nau.

Poço: Espaço entre o castelo, ou o tombadilho, e a superestrutura central, num navio mercante; este espaço é limitado inferiormente pelo convés principal, e lateralmente pelas amuradas e pelas anteparas frontais do castelo, ou do tombadilho, e as da superestrutura central.

Por: Elaine Lino - Equipe UP

2 comentários:

Leonardo D. Q. Motta disse...

MARAVILHOSA esta postagem! Parabéns!!!!
Irei divulgar no twitter do Eco Oil

Luiz Eiroz disse...

Parabéns! Muito didático.

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir