Petróleo ensina lições de concentração e monopólio ao setor do álcool e açúcar - Wladmir Coelho


A concentração no setor petrolífero não relaciona-se somente as tradicionais empresas exploradoras envolvendo ainda as prestadoras de serviços e equipamentos. Neste caso devemos observar com atenção a tendência monopolizadora da General Eletric com conseqüências diretas para o Brasil.

O mais recente ato de concentração da empresa estadunidense foi a compra do setor de energia da britânica John Wood Group (WG.L) por US$2,8 bilhões.

A WG.L atua no Brasil e agora passa a ser controlada através da GE empresa devidamente registrada em nosso território e por isso considerada “brasileira” e, desta forma, apta a integrar o elevado “conteúdo nacional” para exploração do pré-sal.

Outra empresa “nacional” a Shell também amplia a sua presença em nossa terra, no petróleo apresenta-se em segundo lugar perdendo somente para a Petrobrás, desta vez no setor do álcool. A corporação anglo-holandesa anunciou uma fusão, preferindo podemos escrever joint venture, criando a marca Raízen apagando de vez a COSAN uma das maiores produtoras e, naturalmente, exportadora de etanol do nosso continente.

Recentemente o grupo Astra, outra gigante internacional do setor energético, anunciou sua intenção de atuar no mercado nacional de produção e exportação do etanol garantindo de imediato os tanques da antiga refinaria de Manguinhos (RJ) para armazenamento do combustível originado da cana-de-açúcar.

A concentração internacional no setor do álcool e açúcar deve ser encarada com preocupação existindo uma intima relação com a elevação dos preços deste último. No último final de semana iraquianos saíram às ruas protestando, dentre outros motivos, contra a falta do açúcar na cesta básica distribuída pelo governo. A resposta oficial para a falta do produto foram as constantes altas no preço do produto que recupera, graças a concentração de sua produção, a antiga condição de especiaria.

Diante deste quadro considero no mínimo estranho o oba oba diante desta fusão Shell-COSAN aspecto que inibe a livre iniciativa e coloca o Brasil na condição de refém das políticas econômicas de uma corporação internacional privada. Temos neste ponto mais uma prova da insegurança energética nacional.

Por: Wladmir Coelho - Equipe UP

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir