Greve paralisa obra da Refinaria Abreu e Lima

A paralisação na obra da Refinaria Abreu e Lima, em Suape, iniciada na última sexta-feira pelos operários que atuam no consórcio Conest (formado pela Odebrecht e OAS) ganhou a adesão de outros trabalhadores e já atinge 90% das atividades no canteiro de obras. Segundo o Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Construção Pesada (Sintepav-PE), cerca de 21 mil profissionais, dos 30 mil que trabalham na obra da refinaria, paralisaram as atividades desde ontem.

O movimento começou há um mês, após protestos dos 4.822 funcionários da Conest. Foi suspenso com o início da mediação das negociações entre patrões e empregados pelo Ministério Público do Trabalho (MPT-PE) e retomado na última sexta-feira, sem que os operários aceitassem os acordos feitos entre representantes da categoria e das empresas.

´Dos treze pontos da pauta, conseguimos avançar em onze, mas faltava a questão da hora extra do sábado e do vale alimentação. Infelizmente os trabalhadores não aceitaram as conquistas alcançadas agora, que poderiam levar a uma flexibilização daqui a três meses, quando começam as discussões da data-base. Acredito que o Ministério Público cumpriu o papel social de fazer a mediação`, considerou o promotor Waldir Bitu Filho.

Após acompanhar a assembleia dos funcionários da Conest ontem de manhã, o MPT-PE decidiu cancelar a audiência que ocorreria à tarde e começou a produzir o parecer que será apresentado ao Tribunal Regional do Trabalho (TRT 6ª Região), amanhã, quando será julgada a legalidade da greve.

Com a adesão dos trabalhadores de outros consórcios que atuam no canteiro de obras da Refinaria Abreu e Lima, a questão deixou de ser negociada apenas pela Conest e passou para o âmbito do Sindicato da Indústria de Construção Pesada (Sinicon) - que ontem acionou a Justiça pedindo a ilegalidade da greve. A primeira audiência desta ação também deve acontecer amanhã.

´A posição do Sinicon é pela ilegalidade e pelo desconto dos dia parados. A partir do momento que não houve notificação sobre a paralisação e que não foi entregue uma pauta de reivindicação, entramos com o pedido na Justiça. As empresas esperam que o TRT reconheça a ilegalidade e que seja retomada a normalidade da obra`, afirmou Margareth Rubem, advogada que representa o Sinicon.

O Sintepav, através do setor de comunicação, reconhece que as negociações voltaram ao ponto inicial e reafirma que os trabalhadores acharam as propostas insuficientes. O sindicato vai esperar a decisão da Justiça para se pronunciar. Os pontos discordantes da pauta reivindicada são R$ 160 de vale-alimentação e hora extra a 100% aos sábados. A mediação do Ministério Público conseguiu reajuste de R$ 80 para R$ 130 no vale-alimentação e o pagamento de 70% para 80% do valor da hora extra aos sábados.

Fonte: Diário de Pernambuco (PE)/Juliana Cavalcanti

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir