Mão de obra especializada vai ficar mais cara, diz estudo do Ipea

Faltarão profissionais capacitados ao Brasil para atender o mercado se a economia crescer na média anual prometida pelo governo de 5,9% ao ano. Estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostra que não há como abastecer de forma sustentável o mercado de engenheiros se o país crescer a 6% ao ano de 2011 a 2020 e que o custo desta mão de obra especializada vai ficar mais caro daqui para frente.

As maiores carências devem ser identificadas nas áreas de petróleo e gás, construção civil, mineração biotecnologia e metrologia. Embora a quantidade de engenheiros formados até 2020 seja suficiente para suprir a demanda por estes profissionais no futuro, várias obstáculos limitam a oferta de mão de obra especializada no país e devem ser um dos principais gargalos para o crescimento sustentável da economia brasileira.

No cenário de crescimento mais otimista do Ipea, 68% dos profissionais com diploma em 2020 teriam que trabalhar na sua área específica. Atualmente, segundo dados do instituto, apenas 38% dos engenheiros exercem a ocupação. A maior parte deles segue em busca de oportunidades mais vantajosas em outras áreas. Este não é o único problema identificado pelos especialistas. Dos engenheiros formados pelas universidades brasileiras, apenas 28,1% têm notas consideradas de alta desempenho. Mais de 42% tiveram baixo desempenho e quase 30%, resultados medianos. Além disso, a maior parte dos profissionais da área exerce outras profissões, o que esvazia a oferta de engenheiros ao mercado.

Ainda que se concretize um cenário menos otimista de crescimento médio de 4%, próximo dos 3,5% registrados entre 2000 e 2010, não existe a garantia de que todos estes gargalos serão superados. Mas a demanda menor por engenheiros tenderia a equilibrar as falhas do mercado, embora não tenha como conter a alta dos salários dos profissionais mais experientes.

- Considero sustentável. Os novos profissionais tendem a se dirigir para suas ocupações mais típicas no início de carreira. Mesmo assim, o custo dos seus salários será mais elevado, assim como o de treinamento e capacitação - disse Aguinaldo Maciente, um dos autores do estudo do Ipea. O país deve passar a formar entre 86 mil e 148 mil engenheiros por ano a partir de 2020. Até 2008, o Brasil formava 47 mil engenheiros em um ano.

Fonte: Agência Folha

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Free Website templatesFree Flash TemplatesRiad In FezFree joomla templatesSEO Web Design AgencyMusic Videos OnlineFree Wordpress Themes Templatesfreethemes4all.comFree Blog TemplatesLast NewsFree CMS TemplatesFree CSS TemplatesSoccer Videos OnlineFree Wordpress ThemesFree Web Templates
Subir